sicnot

Perfil

Mundo

Dois mortos e vários feridos no ataque a universidade em Cabul

Rahmat Gul

O ministro do Interior do país confirmou as várias explosões seguidas de um tiroteio na Universidade Americana de Cabul, no Afeganistão. Pelo menos dois estudantes morreram e mais de 10 ficaram feridos.

Através das redes sociais, os estudantes da universidade descreveram o ataque: vários homens armados entraram no campus e começaram a disparar. As testemunhas dizem que ouviram várias explosões antes do tiroteio começar.

Vários alunos e professores continuam presos dentro do edifício.

Uma fonte da polícia, citada pela agência de notícias espanhola Efe a coberto do anonimato, disse que há pelo menos dois estudantes mortos, ao passo que o porta-voz do Ministério de Saúde Pública afegão, Mahammad Kawisa, confirmou que 12 feridos foram retirados do edifício e transportados para um hospital.

Entretanto, um responsável citado pela agência de notícias francesa AFP indicou que conselheiros militares norte-americanos estão a ajudar os afegãos numa operação para deter os atacantes, que ainda estão dentro da universidade, juntamente com um número indeterminado de estudantes e professores.

O reitor da universidade, Mohammad Sharif Faiz, afirmou que primeiro houve uma explosão e "depois alguns rebeldes entraram na universidade e algumas pessoas foram mortas e feridas".

"Não sabemos o número exato de vítimas", acrescentou, explicando que, neste momento, "todas as ruas que levam à universidade estão cortadas" ao trânsito.

Um porta-voz da polícia, Humayon Aini, precisou que "após a explosão, bombistas suicidas entraram na universidade, onde alguns estudantes estão encurralados".

Aini acrescentou que os suicidas, cujo número se desconhece ainda, prosseguem a troca de tiros com a polícia, que já vedou a zona.

A embaixada dos Estados Unidos em Cabul emitiu um aviso aos seus cidadãos para que evitem aquela zona, através de uma mensagem nas redes sociais em que referiu que o ataque começou às 19:30 locais (16:30 de Lisboa).

Algumas das pessoas que se encontram retidas no edifício enviaram mensagens na rede social Twitter a pedir ajuda.

"Não me matem, sou inocente", escreveu o professor Ahmad F. Samin, rogando ao mesmo tempo: "Que Alá salve todos".

Este ataque acontece depois de, no início deste mês, um grupo de homens armados e não identificados ter sequestrado, em Cabul, dois professores -- um norte-americano e outro australiano -- que trabalham na Universidade Americana do Afeganistão.

O sequestro ocorreu a 7 de agosto perto do estabelecimento privado de ensino superior, quando os professores seguiam num veículo da universidade de regresso a casa.

A universidade iniciou a sua atividade na capital afegã em 2006 e tem, atualmente, mais de 1.700 alunos, de acordo com a sua página na internet.

O Afeganistão vive um período de aumento da violência que fez elevar, este ano, as vítimas civis para números recorde desde que começaram a ser contabilizadas, em 2009.

Com Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.