sicnot

Perfil

Mundo

Dois mortos e vários feridos no ataque a universidade em Cabul

Rahmat Gul

O ministro do Interior do país confirmou as várias explosões seguidas de um tiroteio na Universidade Americana de Cabul, no Afeganistão. Pelo menos dois estudantes morreram e mais de 10 ficaram feridos.

Através das redes sociais, os estudantes da universidade descreveram o ataque: vários homens armados entraram no campus e começaram a disparar. As testemunhas dizem que ouviram várias explosões antes do tiroteio começar.

Vários alunos e professores continuam presos dentro do edifício.

Uma fonte da polícia, citada pela agência de notícias espanhola Efe a coberto do anonimato, disse que há pelo menos dois estudantes mortos, ao passo que o porta-voz do Ministério de Saúde Pública afegão, Mahammad Kawisa, confirmou que 12 feridos foram retirados do edifício e transportados para um hospital.

Entretanto, um responsável citado pela agência de notícias francesa AFP indicou que conselheiros militares norte-americanos estão a ajudar os afegãos numa operação para deter os atacantes, que ainda estão dentro da universidade, juntamente com um número indeterminado de estudantes e professores.

O reitor da universidade, Mohammad Sharif Faiz, afirmou que primeiro houve uma explosão e "depois alguns rebeldes entraram na universidade e algumas pessoas foram mortas e feridas".

"Não sabemos o número exato de vítimas", acrescentou, explicando que, neste momento, "todas as ruas que levam à universidade estão cortadas" ao trânsito.

Um porta-voz da polícia, Humayon Aini, precisou que "após a explosão, bombistas suicidas entraram na universidade, onde alguns estudantes estão encurralados".

Aini acrescentou que os suicidas, cujo número se desconhece ainda, prosseguem a troca de tiros com a polícia, que já vedou a zona.

A embaixada dos Estados Unidos em Cabul emitiu um aviso aos seus cidadãos para que evitem aquela zona, através de uma mensagem nas redes sociais em que referiu que o ataque começou às 19:30 locais (16:30 de Lisboa).

Algumas das pessoas que se encontram retidas no edifício enviaram mensagens na rede social Twitter a pedir ajuda.

"Não me matem, sou inocente", escreveu o professor Ahmad F. Samin, rogando ao mesmo tempo: "Que Alá salve todos".

Este ataque acontece depois de, no início deste mês, um grupo de homens armados e não identificados ter sequestrado, em Cabul, dois professores -- um norte-americano e outro australiano -- que trabalham na Universidade Americana do Afeganistão.

O sequestro ocorreu a 7 de agosto perto do estabelecimento privado de ensino superior, quando os professores seguiam num veículo da universidade de regresso a casa.

A universidade iniciou a sua atividade na capital afegã em 2006 e tem, atualmente, mais de 1.700 alunos, de acordo com a sua página na internet.

O Afeganistão vive um período de aumento da violência que fez elevar, este ano, as vítimas civis para números recorde desde que começaram a ser contabilizadas, em 2009.

Com Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.