sicnot

Perfil

Mundo

Míssil lançado pela Coreia do Norte entrou na zona de defesa aérea do Japão

O míssil balístico lançado pela Coreia do Norte, a partir de um submarino, entrou na zona de identificação aérea do Japão pela primeira vez, afirmou hoje o primeiro-ministro, Shinzo Abe.

"Esta é a primeira vez que um míssil da Coreia do Norte foi lançado a partir de um submarino para a zona de identificação aérea do nosso país", disse Abe aos jornalistas, de acordo com a televisão pública NHK.

Shinzo Abe qualificou o ato de "imperdoável", considerando que constitui uma "grave ameaça" para a segurança do Japão e indicou que, apesar de ambos os países não manterem relações diplomáticas, Tóquio apresentou o seu protesto formal a Pyongyang através da sua embaixada em Pequim.

O míssil caiu em águas que correspondem à zona de identificação aérea (ADIZ) - área em que o Estado titular da mesma exige identificação às aeronaves estrangeiras que a atravessem.

Pelo menos um míssil lançado a partir de terra, em março último, tinha atingido já a ADIZ, mas esta foi a primeira vez que tal sucedeu com um disparado a partir do mar, segundo especificou o Ministério da Defesa do Japão à agência noticiosa AFP.

Depois do lançamento, que teve lugar pelas 05:30 (21:30 de terça-feira em Lisboa), o governo japonês confirmou que o projétil não causou danos a navios ou aeronaves na zona.

O míssil foi lançado a partir da costa de Sinpo (província de Hamgyong do Sul), onde o regime norte-coreano tem o seu centro de desenvolvimento de submarinos, e percorreu aproximadamente 500 quilómetros, segundo fontes militares sul-coreanas.

A ser assim, o teste realizado por Pyongyang foi o mais bem-sucedido dos que realizou até à data, colocando em relevo o perigo que o programa armamentístico norte-coreano representa a nível regional e global.

A natureza móvel dos submarinos - tecnologia que Pyongyang poderá dominar, segundo especialistas, nos próximos três a quatro anos - ampliaria em grande medida o alcance do arsenal balístico norte-coreano e tornaria muito mais difícil detetar os seus lançamentos.

O ensaio de hoje coincide com a realização, em Tóquio, de uma cimeira trilateral que reúne os ministros dos Negócios Estrangeiros do Japão, China e Coreia do Sul.

A diplomacia japonesa manifestou o seu desejo de que o lançamento e o programa de mísseis e armas nucleares em geral da Coreia do Norte ocupe parte significativa da agenda do encontro.

Lusa

  • Encontrados destroços do avião que caiu no Irão

    Mundo

    As autoridades iranianas encontraram destroços do avião que caiu no domingo no sudeste do país, matando as 66 pessoas que seguiam a bordo, revelou um porta-voz da Guarda Revolucionária, o exército de elite do regime.

  • 2,6 milhões de bebés morrem antes de completar um mês

    Mundo

    Os recém-nascidos no Paquistão, República Centro-Africana e Afeganistão são os que têm menor probabilidade de sobreviver, de acordo com um relatório da Unicef que revela que todos os anos 2,6 milhões de crianças morrem antes de completar um mês. Sobretudo nos países mais pobres do mundo, o número de mortes de recém-nascidos a nível global mantém-se assustadoramente elevado.

  • Galp regista lucro de 602 M€ em 2017 

    Economia

    A Galp registou um lucro de 602 milhões de euros no ano passado. Uma subida de 25 por cento em relação a 2016. De acordo com a empresa, os resultados devem-se sobretudo ao aumento da produção de petróleo e gás natural no Brasil, bem como o crescimento dos negócios da refinação e distribuição.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC