sicnot

Perfil

Mundo

Míssil lançado pela Coreia do Norte entrou na zona de defesa aérea do Japão

O míssil balístico lançado pela Coreia do Norte, a partir de um submarino, entrou na zona de identificação aérea do Japão pela primeira vez, afirmou hoje o primeiro-ministro, Shinzo Abe.

"Esta é a primeira vez que um míssil da Coreia do Norte foi lançado a partir de um submarino para a zona de identificação aérea do nosso país", disse Abe aos jornalistas, de acordo com a televisão pública NHK.

Shinzo Abe qualificou o ato de "imperdoável", considerando que constitui uma "grave ameaça" para a segurança do Japão e indicou que, apesar de ambos os países não manterem relações diplomáticas, Tóquio apresentou o seu protesto formal a Pyongyang através da sua embaixada em Pequim.

O míssil caiu em águas que correspondem à zona de identificação aérea (ADIZ) - área em que o Estado titular da mesma exige identificação às aeronaves estrangeiras que a atravessem.

Pelo menos um míssil lançado a partir de terra, em março último, tinha atingido já a ADIZ, mas esta foi a primeira vez que tal sucedeu com um disparado a partir do mar, segundo especificou o Ministério da Defesa do Japão à agência noticiosa AFP.

Depois do lançamento, que teve lugar pelas 05:30 (21:30 de terça-feira em Lisboa), o governo japonês confirmou que o projétil não causou danos a navios ou aeronaves na zona.

O míssil foi lançado a partir da costa de Sinpo (província de Hamgyong do Sul), onde o regime norte-coreano tem o seu centro de desenvolvimento de submarinos, e percorreu aproximadamente 500 quilómetros, segundo fontes militares sul-coreanas.

A ser assim, o teste realizado por Pyongyang foi o mais bem-sucedido dos que realizou até à data, colocando em relevo o perigo que o programa armamentístico norte-coreano representa a nível regional e global.

A natureza móvel dos submarinos - tecnologia que Pyongyang poderá dominar, segundo especialistas, nos próximos três a quatro anos - ampliaria em grande medida o alcance do arsenal balístico norte-coreano e tornaria muito mais difícil detetar os seus lançamentos.

O ensaio de hoje coincide com a realização, em Tóquio, de uma cimeira trilateral que reúne os ministros dos Negócios Estrangeiros do Japão, China e Coreia do Sul.

A diplomacia japonesa manifestou o seu desejo de que o lançamento e o programa de mísseis e armas nucleares em geral da Coreia do Norte ocupe parte significativa da agenda do encontro.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.