sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos um morto e mais de 30 feridos em atentado na Tailândia

© Surapan Boonthamon / Reuters

Pelo menos uma pessoa morreu e mais de 30 outras ficaram feridas, incluindo algumas com gravidade na sequência de um atentado, perpetrado com uma viatura armadilhada, no extremo sul da Tailândia, anunciou hoje a polícia.

"Até ao momento, temos registo de um morto e mais de 30 feridos", disse o major-general Thanongsak Wangsupa, comandante da polícia da província de Pattani, à agência AFP.

A explosão ocorreu na noite de terça-feira no exterior de um hotel, que ficou "significativamente danificado", localizado nos subúrbios de Pattani, uma das três províncias do sul de maioria muçulmana a braços com 12 anos de insurgência.

Receios de que a insurgência do sul do país se tenha alastrado, depois de anos de impasse nas conversações de paz, surgiram após a ocorrência, no início do mês, de uma série de pequenas explosões coordenadas em cidades turísticas mais a norte.

Um funcionário do hospital da cidade indicou que 32 pessoas ficaram feridas no atentado de terça-feira, cinco das quais com gravidade.

Todos são tailandeses, segundo a mesma fonte, que falou sob a condição de anonimato, citada pela agência noticiosa francesa.

Os atentados com recurso a armas ligeiras, homicídios e atentados à bomba nas três províncias muçulmanas de Pattani, Narathiwat e Yala ocorrem a um ritmo quase diário, apesar do destacamento de 40 mil efetivos das forças de segurança e vigência do estado de exceção.

Mais de 6.500 pessoas - a maioria civis - morreram no sul da Tailândia desde que o movimento separatista muçulmano retomou a luta armada em 2004.

Os insurgentes denunciam a discriminação da maioria budista no país e exigem a criação de um Estado islâmico que integre as três províncias que formavam o antigo sultanato de Pattani, anexado pela Tailândia há um século.

Lusa

  • Seca extrema agrava-se no interior alentejano, produção de trigo pode cair 40%
    6:22

    País

    A falta de chuva está a provocar prejuízos na agricultura, em especial no setor dos cereais, como o trigo que, este ano, deverá registar uma quebra de 40% na produção. O repórter Luís Godinho convidou o agricultor e professor de Ciências Agrárias na Universidade de Évora, Ricardo Freixial, para explicar os prejuízos que a seca está a provocar nas culturas e a sustentabilidade da agricultura portuguesa perante as alterações climáticas.