sicnot

Perfil

Mundo

Polícia francesa criticada por incidentes com banhistas com véu ou burkini

A polícia francesa é esta quarta-feira alvo de críticas por dois incidentes, em Nice e Cannes, entre agentes e banhistas com véu ou 'burkini', numa altura em que a proibição do trajo de banho muçulmano em praias francesas é contestada.

O presidente do Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM), Anouar Kbibech, pediu uma reunião urgente com o Governo, a qual foi aceite pelo ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, que marcou o encontro para hoje à tarde.

O responsável muçulmano afirmou, em comunicado, estar "preocupado com a direção que o debate público está a tomar" e citou um "receio crescente de estigmatização dos muçulmanos em França".

No texto, Kbibech referiu dois dos episódios que estão a causar polémica na imprensa e nas redes sociais: o de uma mulher multada numa praia de Cannes, onde estava com os filhos, por usar véu, túnica e 'leggings', e o de uma outra, numa praia de Nice, obrigada por quatro agentes da polícia a despir a túnica que usava.

A mulher multada em Cannes, Siam, de 34 anos, disse hoje à imprensa que vai recorrer à justiça. "Não vestia 'burkini', não vestia 'burqa', não ia nua. Considero que o meu vestuário era correto", disse.

As imagens do segundo episódio, divulgadas pelo jornal britânico Daily Mail e partilhadas centenas de vezes na Internet, parecem mostrar a polícia a ordenar a uma mulher que dispa a túnica, por baixo da qual veste uma camisola sem mangas, mas as circunstâncias do ocorrido não foram ainda explicadas.

"Vimos imagens de agentes da polícia a forçarem uma mulher numa praia de Nice a tirar a túnica, quando ela nem estava a usar um 'burkini'", lê-se no comunicado da autoridade muçulmana.

"Com a difícil e crítica situação que França enfrenta depois dos trágicos ataques que afetaram profundamente o país, o CFCM apela para o bom senso e a responsabilidade de todos. Precisamos hoje de mais atos de paz e de tolerância", acrescenta.

A mais alta instância judicial administrativa de França, o Conselho de Estado, vai analisar na quinta-feira um pedido da Liga de Direitos Humanos para anular as proibições adotadas por dezena e meia de localidades francesas.

Tribunais de primeira instância validaram as proibições decretadas por presidentes de câmara.

Um desses tribunais, de Nice, afirmou na sua decisão que o 'burkini' pode ser "considerado um desafio ou uma provocação exacerbando as tensões sentidas" pela comunidade.

Segundo a televisão BFM, pelo menos 16 mulheres foram multadas desde o princípio desta semana por usarem o trajo de banho muçulmano, que cobre integralmente o corpo.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.