sicnot

Perfil

Mundo

Alergia a ambrósia poderá afetar mais de 70 milhões de europeus em 2050

As alterações climáticas poderão fazer duplicar até 2050 o número de europeus que sofrem de alergia ao pólen de ambrósia, elevando-o a 77 milhões em vez dos atuais 33 milhões, segundo um estudo publicado esta quinta-feira.

Planta invasora originária da América do Norte, a ambrósia, cujo pólen provoca fortes alergias, está já muito presente no centro e no sul da Europa.

A alergia à ambrósia faz parte das alergias aos pólenes ou alergias sazonais que afetam já, em graus diferentes, perto de 40% dos europeus.

Tais alergias podem ser provocadas pelos pólenes de algumas árvores (bétula, acipreste, entre outras) na primavera e depois, no verão e no outono, pelos pólenes de gramíneas ou de ervas daninhas.

"É o primeiro estudo destinado a quantificar o eventual impacto das alterações climáticas nas alergias", salienta Iain Lake, que dirigiu o estudo publicado na revista Environmental Health Perspectives.

Para chegar ao número de 77 milhões de europeus afetados, os investigadores basearam-se em projeções que mostram que os pólenes de ambrósia irão, no futuro, estender-se a outros países europeus, como a Alemanha ou a Polónia.

De acordo com os investigadores, dois terços do aumento podem ser atribuídos às mudanças climáticas, ao passo que o restante terço se explica pela propagação natural da planta invasora.

Mas, se forem adotadas medidas para combater a ambrósia, o número dos alérgicos poderá cair para 52 milhões em 2050 ou, pelo contrário, aumentar para 107 milhões se a propagação ocorrer mais rapidamente que o previsto, observou, por sua vez, uma investigadora da Universidade de Viena, Michelle Epstein.

No futuro, a estudiosa prevê igualmente um agravamento dos sintomas de alergia à ambrósia, por causa de uma mais forte concentração de pólenes e de uma "época" mais longa que a atual, estendendo-se de meados de setembro a meados de outubro.

A planta, que pode atingir 1,80 metros, é extremamente resistente, adapta-se a quase todos os solos, não teme a seca e produz sementes que podem manter-se viáveis durante mais de dez anos na terra.

Além da América do Norte e da Europa, a ambrósia já se propagou para algumas regiões da Austrália, da América do Sul e mesmo do Japão.

Lusa