sicnot

Perfil

Mundo

Alergia a ambrósia poderá afetar mais de 70 milhões de europeus em 2050

As alterações climáticas poderão fazer duplicar até 2050 o número de europeus que sofrem de alergia ao pólen de ambrósia, elevando-o a 77 milhões em vez dos atuais 33 milhões, segundo um estudo publicado esta quinta-feira.

Planta invasora originária da América do Norte, a ambrósia, cujo pólen provoca fortes alergias, está já muito presente no centro e no sul da Europa.

A alergia à ambrósia faz parte das alergias aos pólenes ou alergias sazonais que afetam já, em graus diferentes, perto de 40% dos europeus.

Tais alergias podem ser provocadas pelos pólenes de algumas árvores (bétula, acipreste, entre outras) na primavera e depois, no verão e no outono, pelos pólenes de gramíneas ou de ervas daninhas.

"É o primeiro estudo destinado a quantificar o eventual impacto das alterações climáticas nas alergias", salienta Iain Lake, que dirigiu o estudo publicado na revista Environmental Health Perspectives.

Para chegar ao número de 77 milhões de europeus afetados, os investigadores basearam-se em projeções que mostram que os pólenes de ambrósia irão, no futuro, estender-se a outros países europeus, como a Alemanha ou a Polónia.

De acordo com os investigadores, dois terços do aumento podem ser atribuídos às mudanças climáticas, ao passo que o restante terço se explica pela propagação natural da planta invasora.

Mas, se forem adotadas medidas para combater a ambrósia, o número dos alérgicos poderá cair para 52 milhões em 2050 ou, pelo contrário, aumentar para 107 milhões se a propagação ocorrer mais rapidamente que o previsto, observou, por sua vez, uma investigadora da Universidade de Viena, Michelle Epstein.

No futuro, a estudiosa prevê igualmente um agravamento dos sintomas de alergia à ambrósia, por causa de uma mais forte concentração de pólenes e de uma "época" mais longa que a atual, estendendo-se de meados de setembro a meados de outubro.

A planta, que pode atingir 1,80 metros, é extremamente resistente, adapta-se a quase todos os solos, não teme a seca e produz sementes que podem manter-se viáveis durante mais de dez anos na terra.

Além da América do Norte e da Europa, a ambrósia já se propagou para algumas regiões da Austrália, da América do Sul e mesmo do Japão.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.