sicnot

Perfil

Mundo

Fundador do WikiLeaks anuncia divulgação de documentos "significativos" sobre Hillary Clinton

Reuters

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, afirmou que novos documentos ligados à candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton vão ser publicados antes das eleições norte-americanas de novembro e que poderão ter um impacto "significativo" no escrutínio.

Em declarações à estação norte-americana Fox News na quarta-feira, Julian Assange, que está refugiado desde junho de 2012 na embaixada do Equador em Londres, indicou que o portal WikiLeaks estava a analisar milhares de páginas de documentos.

Os diversos documentos de várias instituições relacionadas com a campanha eleitoral revelaram "alguns ângulos bastante inesperados, que são bastante interessante, alguns até divertidos", referiu o australiano, numa entrevista divulgada na quarta-feira à noite.

Assange assegurou que os documentos serão "absolutamente" divulgados antes das eleições presidenciais norte-americanas, agendadas para 08 de novembro deste ano.

Questionado se a divulgação destes documentos poderia ter impacto na votação, o fundador do WikiLeaks afirmou: "Acho que é significativo. Depende da repercussão na opinião pública e nos meios de comunicação social".

Na véspera da abertura da convenção democrata em Filadélfia em finais de julho, o portal WikiLeaks publicou cerca de 20 mil correios eletrónicos internos do Partido Democrata que revelaram que alguns membros da liderança da força partidária tinham beneficiado Hillary Clinton durante a campanha das primárias democratas.

Na sequência desta divulgação, a presidente do comité nacional do Partido Democrata (DNC), Debbie Wasserman-Schultz, demitiu-se do cargo.

Poucos dias depois, Assange fez saber que o WikiLeaks estava na posse "de mais documentos ligados à campanha de Hillary Clinton", dando assim a entender que uma nova fuga de informação iria acontecer.

"No caso do DNC, por exemplo, fizemos [a análise dos documentos] o mais rápido possível para divulgar antes da convenção democrata, porque obviamente as pessoas tinham o direito de saber quem é que iam nomear", referiu Assange, ainda em declarações à Fox News.

"Isso é válido também para o processo eleitoral norte-americano", concluiu.

Assange, de 45 anos, está refugiado desde junho de 2012 na embaixada do Equador em Londres por receio de ser extraditado para a Suécia, onde foi acusado de violação, e daí para os Estados Unidos, que o querem julgar pela divulgação no portal WikiLeaks de milhares de documentos confidenciais.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.