sicnot

Perfil

Mundo

ONU exige investigação independente a violações dos direitos humanos no Iémen

Reuters

As Nações Unidas exigiram hoje a criação de um organismo internacional para investigar violações dos direitos humanos no Iémen, palco de um conflito que causou mais de 6.600 mortos em 17 meses.

Num relatório divulgado em Genebra, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos denuncia nomeadamente ataques visando civis em mercados, estabelecimentos de saúde e escolares, utilização de minas terrestres e de bombas de fragmentação, assim como o recrutamento de crianças.

"Os civis no Iémen sofrem há anos de uma forma insustentável devido a vários conflitos armados que se sobrepõem", declarou o Alto Comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, citado num comunicado.

"E continuam a sofrer, sem qualquer forma de justiça (...) enquanto a impunidade prevalece para os responsáveis por violações e abusos contra eles", adiantou.

Considerando que "a comunidade internacional não pode continuar a tolerar uma situação manifestamente tão injusta e que já dura há tanto tempo", o Alto Comissário exigiu a criação de um "organismo internacional e independente para realizar inquéritos exaustivos sobre o Iémen".

Até 23 de agosto, 3.799 civis morreram e 6.711 foram feridos no conflito, metade dos quais em ataques aéreos da coligação dirigida pela Arábia Saudita.

Em março de 2015, Riade constituiu uma aliança árabe para evitar o avanço dos rebeldes xiitas 'huthis', apoiados pelo Irão e por fiéis do antigo presidente Ali Abdallah Saleh, que alargavam o seu controlo no Iémen após terem conquistado a capital, Sanaa, e obrigado à fuga do presidente Abd Rabbo Mansur Hadi.

O relatório do Alto Comissariado indica que pelo menos 7,6 milhões de pessoas, entre as quais três milhões de mulheres e crianças, estão desnutridos, enquanto cerca de três milhões de pessoas foram obrigados a fugir das suas casas.

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Árbitros recuam e vão apitar jogos do próximo fim de semana

    Desporto

    Os árbitros recuaram esta quarta-feira na intenção de não comparecer nos jogos do próximo fim de semana. Depois de na terça-feira a maioria dos juízes terem apresentado um pedido de dispensa dos jogos da 12.ª jornada do campeonato, esta quarta-feira adiaram a decisão após uma reunião com o Conselho de Arbitragem.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15