sicnot

Perfil

Mundo

ONU exige investigação independente a violações dos direitos humanos no Iémen

Reuters

As Nações Unidas exigiram hoje a criação de um organismo internacional para investigar violações dos direitos humanos no Iémen, palco de um conflito que causou mais de 6.600 mortos em 17 meses.

Num relatório divulgado em Genebra, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos denuncia nomeadamente ataques visando civis em mercados, estabelecimentos de saúde e escolares, utilização de minas terrestres e de bombas de fragmentação, assim como o recrutamento de crianças.

"Os civis no Iémen sofrem há anos de uma forma insustentável devido a vários conflitos armados que se sobrepõem", declarou o Alto Comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, citado num comunicado.

"E continuam a sofrer, sem qualquer forma de justiça (...) enquanto a impunidade prevalece para os responsáveis por violações e abusos contra eles", adiantou.

Considerando que "a comunidade internacional não pode continuar a tolerar uma situação manifestamente tão injusta e que já dura há tanto tempo", o Alto Comissário exigiu a criação de um "organismo internacional e independente para realizar inquéritos exaustivos sobre o Iémen".

Até 23 de agosto, 3.799 civis morreram e 6.711 foram feridos no conflito, metade dos quais em ataques aéreos da coligação dirigida pela Arábia Saudita.

Em março de 2015, Riade constituiu uma aliança árabe para evitar o avanço dos rebeldes xiitas 'huthis', apoiados pelo Irão e por fiéis do antigo presidente Ali Abdallah Saleh, que alargavam o seu controlo no Iémen após terem conquistado a capital, Sanaa, e obrigado à fuga do presidente Abd Rabbo Mansur Hadi.

O relatório do Alto Comissariado indica que pelo menos 7,6 milhões de pessoas, entre as quais três milhões de mulheres e crianças, estão desnutridos, enquanto cerca de três milhões de pessoas foram obrigados a fugir das suas casas.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.