sicnot

Perfil

Mundo

Um dos portugueses feridos em Marrocos ainda está hospitalizado

Dois dos três portugueses feridos por um ex-empregado de um circo em Marrocos já tiveram alta e o terceiro está ainda hospitalizado em Rabat, mas fora de perigo, disse esta quinta-feira à Lusa o secretário de Estado das Comunidades.

O consulado de Rabat entrou em contacto com as famílias dos três feridos portugueses na quarta-feira à tarde e inteirou-as de que dois deles tiveram alta e só um continua hospitalizado, uma mulher, cuja filha disse que ela se encontra no hospital militar Mohamed V, em Rabat, mas está fora de perigo, precisou o secretário de Estado, José Luís Carneiro.

Os três cidadãos portugueses estavam a trabalhar num circo durante uma digressão por Marrocos quando foram feridos com uma arma branca por um ex-empregado que também agrediu e matou o filho do proprietário, noticiou hoje de manhã a agência oficial marroquina MAP.

Segundo a mesma fonte, o proprietário do circo, um cidadão italiano, ficou gravemente ferido.

A Direção-Geral da Segurança Nacional (DGSN) de Marrocos disse inicialmente que os ferimentos dos cidadãos portugueses eram "mais ou menos graves".

O ex-empregado de 28 anos, de nacionalidade marroquina, agrediu com uma arma branca "o proprietário do circo, o seu filho de 18 anos e três outros empregados de nacionalidade portuguesa", indicou a polícia de Kénitra, cidade situada a 40 quilómetros a norte de Rabat, citada pela MAP.

"A agressão causou graves ferimentos no proprietário do circo e o seu filho de 18 anos acabou por morrer devido aos ferimentos", referiu a agência de notícias.

O agressor, que foi segurança no circo, fugiu antes de ser capturado na madrugada de hoje pela polícia de Casablanca nas proximidades da casa de um familiar.

A agressão terá sido motivada por uma disputa pessoal com o proprietário do circo, que o havia despedido.

Um "caso de dinheiro" está na origem da agressão, confirmou à agência noticiosa francesa AFP uma fonte italiana, precisando que este circo da comunidade cigana há vários anos faz digressões no verão em Marrocos.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares