sicnot

Perfil

Mundo

Chefe da polícia das Filipinas diz a toxicodependentes para matarem traficantes

© Romeo Ranoco

O chefe da polícia das Filipinas instou hoje os toxicodependentes a matarem os traficantes de droga e a queimar as suas casas, numa altura em que a controversa guerra ao crime já soma mais de 2 mil mortos.

"Por que não lhes fazem uma visita, regam as suas casas com gasolina e ateiam-lhes fogo para mostrar a vossa raiva?", questionou Ronald de la Rosa, num discurso transmitido hoje pela televisão.

"Eles estão todos a gozar o vosso dinheiro, dinheiro esse que destruiu o vosso cérebro. Vocês sabem quem são os barões da droga. Gostariam de os matar? Avancem. Matá-los é permitido porque vocês são as vítimas".

O chefe da polícia das Filipinas falava na quinta-feira para centenas de consumidores de droga que se entregaram no centro das Filipinas.

Quando questionado se Rodrigo Duterte apoia o apelo ao homicídio e à prática de fogo posto de la Rosa, o porta-voz do Presidente Ernesto Abella negou que essa tenha sido a intenção do chefe da polícia.

"Não há tal apelo. É uma declaração acalorada", disse hoje Abella aos jornalistas.

O comentário do chefe da polícia das Filipinas surge na sequência das próprias diretivas controversas do novo chefe de Estado das Filipinas.

Rodrigo Duterte, de 71 anos, que tomou posse a 30 de junho, declarou guerra aberta contra a droga, tendo recebido inúmeras críticas de organizações como as Nações Unidas, tanto pelo elevado número de mortos como pelo que consideram violações de direitos e liberdades fundamentais.

Na réplica, Duterte disse que a ONU era "estúpida" por se opor à guerra contra a droga.

Apesar da violenta campanha, que já fez mais de 2.000 mortos desde 01 de julho, Duterte mantém a sua popularidade, que se situa em 91% nas sondagens, a pontuação mais elevada granjeada por um chefe de Estado filipino.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC