sicnot

Perfil

Mundo

Detidos mais de 100 manifestantes após assassínio de vice-ministro da Bolívia

Reuters

A polícia da Bolívia deteve, esta quinta-feira, mais de uma centena de mineiros, que participaram nos bloqueios no planalto, onde se encontrava sequestrado e foi depois assassinado o vice-ministro do Interior, Rodolfo Illanes.

O ministro da Defesa boliviano, Reymi Ferreira, declarou ao canal de televisão Red Uno que o governo não vai deixar o crime passar impune e que os agentes detiveram já entre 100 e 120 pessoas no âmbito da investigação ao caso.

Segundo Reymi Ferreira, o Presidente da Bolívia, Evo Morales, "está profundamente comovido" e a morte de Illanes causou uma "profunda dor" porque era um vice-ministro "muito querido".

O ministro anunciou que o chefe de Estado vai reunir-se às 05:00 (10:00 em Lisboa) com os ministros e que, nessa altura, vão ser reveladas as medidas a tomar face ao conflito com os mineiros organizados em cooperativas.

Reymi Ferreira afirmou que atualmente o governo está preocupado em recuperar o corpo de Illanes, e acusou os mineiros de serem "intransigentes" por não permitirem a remoção do corpo para que seja submetido a uma autópsia e posteriormente entregue aos familiares.

"É uma atitude terrivelmente criminosa a que estes dirigentes estão a demonstrar", afirmou, aludindo aos líderes da Federação Nacional das Cooperativas Mineiras (Fencomin), que convocou os protestos contra uma lei promulgada pelo Governo.

Os mineiros rejeitam-na porque estimula a formação de sindicatos nas cooperativas, o que entendem ser prejudicial para o funcionamento desse tipo de organizações.

O "cobarde" e "brutal assassínio" de Illanes foi confirmado, pouco antes, pelo ministro do Interior, Carlos Romero, numa declaração aos jornalistas a partir do Palácio do Governo.

Essa declaração veio confirmar a versão que circulava há horas, quando o jornalista Moisés Flores, diretor da rádio Fedecomin, afirmou ter visto o corpo num monte do planalto, perto da localidade de Panduro, a 180 quilómetros da capital, La Paz, onde voltaram a registar-se violentos confrontos entre mineiros e a polícia.

Carlos Romero disse que o vice-ministro do Interior, Rodolfo Illanes, pediu para ir a Panduro para abrir uma janela de diálogo com os manifestantes que, há três dias, bloqueiam estradas em forma de protesto contra uma lei sobre sindicatos promulgada pelo Presidente Evo Morales.

O ministro realçou que, através de diferentes meios, o governo exortou os mineiros a libertar Illanes, que terá sido morto entre as 17:30 e as 18:00 (22:30 e 23:00 de quinta-feira em Lisboa).

"Queremos não apenas expressar o nosso profundo repúdio por este ato criminoso sem precedentes, mas também solicitar à Justiça que esclareça este assassínio e apure responsabilidades", concluiu o ministro.

  • O insólito cartão amarelo mostrado a Felipe

    Desporto

    Aos 53 minutos do jogo desta quarta-feira entre o Sporting e o FC Porto, a contar para a Taça de Portugal, Jorge Sousa apercebe-se que Felipe enganou-se na camisola que vestiu ao intervalo. O defesa central reentrou com a camisola de Soares. O árbitro mostrou o cartão amarelo e mandou o jogador para o banco trocar de camisola.

  • Dez feridos ligeiros em naufrágio de embarcação em Cascais

    País

    Uma embarcação de recreio com 10 pessoas a bordo naufragou ao largo da Parede, na linha de Cascais. Todos os tripulantes foram resgatados pelas autoridades marítimas e bombeiros e apresentam escoriações ligeiras e sinais de hipotermia. O barco foi entretanto retirado da água e a marginal continua cortada ao trânsito.

  • PS apresenta Lei de Bases da Habitação para abrir debate sobre habitação acessível
    1:19

    Economia

    O PS quer avançar com uma Lei de Bases da Habitação. A proposta apresentada esta quinta-feira propõe a requisição de casas devolutas para habitação e apoios concretos para o arrendamento a preços acessíveis. O líder parlamentar do PS, Carlos César, diz que é tempo de abrir um debate sobre a habitação que acredita que pode resultar numa Lei ainda na atual legislatura.

  • A morte anunciada da ETA

    Mundo

    A organização separatista basca ETA vai anunciar a sua dissolução em 05 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayona, no País Basco francês, disseram à agência Efe fontes conhecedoras do processo.