sicnot

Perfil

Mundo

Hungria vai construir segundo muro na fronteira com a Sérvia

Hungria vai construir segundo muro na fronteira com a Sérvia

O primeiro-ministro húngaro anunciou, numa entrevista à rádio pública, que a Hungria vai construir um segundo muro para impedir a entrada de migrantes no país. De acordo com Viktor Orban, o novo muro vai ser construído junto à barreira já existente e servirá para reforçar as defesas do país.

O primeiro-ministro conservador húngaro, Viktor Orban, anunciou hoje a construção de uma segunda cerca antimigrantes para reforçar a primeira construída há um ano na fronteira com a Sérvia, evocando o risco de um novo fluxo de refugiados.

"Uma nova vedação será construída e será equipada com o equipamento técnico mais moderno", declarou Orban na rádio pública.

"Estão em curso os estudos técnicos" para um "sistema de defesa mais robusto" ao longo da atual vedação em 175 quilómetros da fronteira servo-húngara, precisou.

Orban tinha anunciado recentemente o recrutamento de 3.000 polícias para apoiarem os 3.500 membros das forças da ordem encarregados de guardarem a fronteira.

Segundo o chefe do governo húngaro, as novas medidas visam enfrentar as "centenas de milhares" de migrantes suscetíveis de quererem entrar na Hungria se for denunciado o acordo entre a União Europeia e a Turquia concluído em março para conter o fluxo, como Ancara já ameaçou.

Em 2015, à volta de 400.000 migrantes passaram pela Hungria em direção a países como a Áustria, Alemanha ou Suécia, antes do governo construir no outono vedações nas fronteiras com a Sérvia e com a Croácia.

Apesar do dispositivo, cerca de 18.000 pessoas entraram ilegalmente no país durante o corrente ano, segundo os números oficiais.

Orban convocou para 02 de outubro um referendo para legitimar a sua recusa de acolher refugiados no quadro do plano europeu de distribuição aprovado no outono de 2015.

Com Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08