sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela deteve e expulsou deputados e autarcas equatorianos que se reuniram com opositores

A Venezuela deteve e expulsou esta sexta-feira uma delegação de deputados e autarcas equatorianos que viajaram quinta-feira a Caracas, para "promover a democracia na região", tendo mantido encontros com opositores do Governo do Presidente Nicolás Maduro.

A detenção e expulsão foram confirmadas aos jornalistas pelo vice-presidente da Assembleia Nacional (parlamento) da Venezuela, Enrique Márquez, e por Mitzy de Ledezma, mulher do presidente da Câmara Metropolitana de Caracas, António Ledezma, que se encontra atualmente detido e acusado de vários delitos, entre os quais o de rebelião.

Foram expulsos a candidata presidencial equatoriana Cynthia Viteri, o ex-autarca Carlos Falquez, o deputado (opositor) Henry Cucalon, a autarca de Guayaquil, Susana González e o secretário de administração pública municipal de Guayaquil, Vicente Taiano.

A expulsão teve lugar depois de a delegação tentar visitar o líder opositor do partido venezuelano Vontade Popular, Leopoldo López, atualmente preso no cárcere militar de Ramo Verde (sul de Caracas).

A detenção foi efetuada por funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin, serviços secretos), que pediram os passaportes dos visitantes e lhes ordenaram que entrassem em viaturas de serviço nas quais foram transportados ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía (norte de Caracas).

Fontes não oficiais dão conta que os membros da delegação equatoriana foram despojados dos seus telemóveis.

Lusa

  • Nicolás Maduro só quer referendo revogatório em 2017
    2:13

    Mundo

    Nicolás Maduro admite submeter-se a um referendo revogatório do mandato mas só no próximo ano e se forem cumpridos os requisitos da lei. A oposição já reagiu para reafirmar que a consulta popular é para ser feita este ano apesar de muitas das assinaturas apresentadas não estarem a ser validadas. Nas ruas da Venezuela, a população continua a sofrer com a falta de alimentos.

  • Funcionários públicos anti-Maduro foram despedidos
    1:24

    Mundo

    Na Venezuela, em plena crise económica e com receios de que a contestação social volte a aumentar, cerca de 200 funcionários das finanças queixam-se de terem sido despedidos por motivos políticos. Os trabalhadores dizem que foram para a rua por terem assinado o pedido de referendo revogatório que pode pôr fim ao mandato do presidente venezuelano, Nícolas Maduro.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário ou ainda esta sexta-feira, em formato online.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.