sicnot

Perfil

Mundo

Centenas marcham em Maputo pela paz em Moçambique

Centenas de pessoas marcharam hoje em Maputo contra a crise política e militar em Moçambique, exigindo o fim imediato das confrontações entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado do maior partido de oposição.

"Esta guerra é alimentada por uma arrogância jamais vista. Uma intolerância política sem precedentes. Basta de breves momentos de paz e longos momentos de guerra", afirmou Salomão Muchanga, líder do Parlamento Juvenil, uma das entidades da sociedade civil organizadoras do protesto, que visou também o agravamento das condições de vida e as chamadas dívidas escondidas.

"Basta, não queremos mais sangue", declarou à Lusa Miguel Chissaque, estudante de Direito na Universidade Eduardo Mondlane, acrescentando que as confrontações militares entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) atentam contra o que de mais precioso existe nas normas internacionais, o direito à vida.

Sob uma forte vigilância policial, trajados com camisas brancas, trazendo a mensagem "Stop Guerra", e entoando hinos de repúdio aos conflitos militares, os manifestantes percorreram mais de dois quilómetros até à praça da Independência, onde foram lidas comunicações e apresentadas manifestações artísticas.

As mensagens de protesto invocavam também as chamadas dívidas escondidas, que fizeram disparar a dívida pública, e a crise económica, marcada por uma forte desvalorização do metical e substancial aumento do custo de vida.

"Atum na mesa e ladrão na cadeia", dizia o cartaz erguido pelo empresário moçambicano Rafael Guambe, em alusão à Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), uma das companhias estatais beneficiadas por avultados empréstimos garantidos pelo Estado, inicialmente ocultados nas contas públicas.

"Se isto continuar assim, garanto, o país vai caminhar para a bancarrota", afirmou Guambe, acrescentando que o setor de construção já está a sofrer seriamente, principalmente para quem transporta produtos para o norte usando a única estrada que liga todo país e que está condicionada a escoltas militares devido a emboscadas frequentes atribuídas ao braço armado da Renamo.

Para o economista João Mosca, "a situação é má e certamente nos próximos tempos vai piorar", sustentando que o Governo "está a fazer esforços para camuflar a grave crise" e que, enquanto a dívida não for esclarecida, os doadores não vão retomar os seus financiamentos e o executivo não terá receitas para o Orçamento do Estado.

Sem a presença visível de dirigentes dos partidos dominantes em Moçambique, Frelimo e Renamo, a marcha contou com a participação de forças políticas extraparlamentares e de políticos do Movimento Democrático de Moçambique (MD), terceira bancada na Assembleia da República.

"Queremos justiça. Aqueles que roubaram o povo devem ser presos. Já ninguém acredita neste Governo e é necessário que haja uma auditoria forense internacional para sabermos exatamente quanto é que estamos a dever", declarou Manuel de Araújo, presidente do município de Quelimane, província da Zambézia.

O político do MDM e autarca numa das províncias mais atingidas pelo conflito armado também lamenta que ainda não se tenha dado "nenhum passo para a frente" na solução para a crise militar e que "todas as mudanças que o país sofreu só tenham sido possíveis com recurso a armas".

Os organizadores do evento dizem terem sofrido pressões para que a marcha não se realizasse e uma campanha de propaganda para dissuadir a adesão dos cidadãos, mas asseguraram que vão planear mais protestos.

"Isto não pode continuar assim. As pessoas precisam ir à rua para dizer basta. Como diz o nosso hino, ´nenhum tirano nos irá escravizar´ e este deve ser o lema. Queremos responsabilizações, transparência e, acima de tudo, queremos paz", declarou Alice Mabota, presidente da Liga dos Direitos Humanos, outra das organizações que aderiu à manifestação.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.