sicnot

Perfil

Mundo

Diplomata espanhol ferido durante tentativa de sequestro na Venezuela

​Um funcionário da embaixada da Espanha na Venezuela ficou ferido, na sexta-feira, na sequência de uma tentativa de sequestro, elevando para três o número de diplomatas vítimas da insegurança no país em menos de dois meses.

Segundo fontes policiais, o tenente José Miguel Oliva Iñiguez, adido militar de Espanha na Venezuela, foi intercetado por indivíduos armados quando se encontrava no interior da sua viatura à espera de uma pessoa, na avenida Sanz de El Marqués, na zona leste de Caracas.

Os criminosos terão tentado roubar a viatura e sequestrar o funcionário, que opôs resistência e foi baleado no ombro direito, tendo a bala se deslocado até à zona do peito.

Apesar dos ferimentos José Miguel Oliva Iñiguez conseguiu fugir do local e chegar a uma clínica onde recebeu assistência médica de urgência.

Há pouco mais de uma semana o cônsul da Rússia em Caracas, Alexey Gorlov, foi sequestrado em Caracas por um grupo de indivíduos armados.

Segundo a imprensa venezuelana, depois de ter negociado e pagado o regate, foi "agredido selvagemente" pelos raptores.

Em declarações aos jornalistas o diretor do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária), Douglas Rico, anunciou que as autoridades detiveram um dos criminosos, estando à procura dos outros membros de um grupo dedicado essencialmente ao roubo e ao sequestro.

A 04 de julho, foi assassinado o administrador do Consulado de Itália em Caracas, Mauro Monciatti, na localidade de Altamira, no leste da capital da Venezuela.

O diplomata, de 59 anos, que estava radicado há três meses no país, foi encontrado sem vida dentro do seu apartamento, com várias feridas de objetos contundentes.

Lusa

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.