sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 15 civis mortos num bairro rebelde de Alepo

​Pelo menos 15 civis foram mortos e várias pessoas ficaram feridas por dois barris de explosivos lançados hoje pelo regime sírio num bairro rebelde da cidade de Alepo, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Os barris foram lançados com alguns minutos de intervalo no bairro al-Maadi, perto de uma tenda onde familiares de pessoas que morreram em ataques suicidas esta semana, no bairro vizinho de Bab al-Nayrab, estavam a receber condolências, disse à Agência France Presse (AFP) Rami Abdel Rahmane, diretor do Observatório, sediado na Grã-Bretanha.

"Houve um primeiro barril e quando as pessoas se juntaram e as ambulâncias chegaram, caiu um segundo barril tendo feito mais mortos e destruído completamente uma ambulância", relatou o correspondente da AFP na parte rebelde de Alepo, citando voluntários da proteção civil.

A agência de informação local Shahba, que refere que o ataque fez 23 mortos, publicou fotografias entre as quais uma que mostra o corpo de um homem coberto de poeira, deitado numa maca de uma ambulância. Outra foto apresenta o corpo desmembrado e ensanguentado de um homem junto ao que parece ser a carcaça de uma mota.

Segundo o OSDH e o jornalista da AFP, as pessoas estavam a receber condolências pelos 15 civis, entre os quais 11 crianças, mortos na quinta-feira por barris de explosivos lançados por helicópteros do regime de Bab al-Nayrab.

Antiga capital económica do pais, Alepo está dividida em duas desde julho de 2012, com os bairros rebeldes a leste e a oeste a zona dominada pelo regime de Bab al-Nayrab.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.