sicnot

Perfil

Mundo

Ativista cubano Guillermo Fariñas, em greve de fome, foi outra vez hospitalizado

O dissidente cubano Guillermo Fariñas foi hospitalizado no sábado em Santa Clara, Cuba, por causa da greve de fome que dura há 38 dias, revelou a agência de notícias espanhola Efe.

O dissidente cubano Guillermo Fariñas foi hospitalizado no sábado em Santa Clara, Cuba, por causa da greve de fome que dura há 38 dias, revelou a agência de notícias espanhola Efe.

Esta é a quarta vez que o ativista cubano é hospitalizado, desde que se recusou a comer e a beber a 20 de julho, e está a ser hidratado por via intravenosa, mas um porta-voz dele voltou a dizer que Fariñas manterá o protesto "até às últimas consequências".

Guillermo Fariñas, 54 anos, Prémio Sakharov 2010 do Parlamento Europeu, exige ao Governo cubano que ponha fim à repressão sobre os dissidentes e inicie um diálogo com a oposição.

Fariñas, dirigente da ilegal Frente Antitotalitária Unida (Fantu), soma desde 1995 um total de 25 greves de fome, a última delas em 2010, altura em que fez cem dias de jejum, a maior parte dos quais hospitalizado, para exigir ao Governo a libertação de um grupo de opositores doentes na prisão.

O Governo de Cuba considera os dissidentes "contrarrevolucionários" e "mercenários".

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.