sicnot

Perfil

Mundo

Explosão no Instituto de Criminologia de Bruxelas

Uma bomba explodiu esta madrugada no Instituto de Criminologia de Bruxelas. De acordo com a imprensa belga, um carro passou pelas barreiras de segurança do parque do edifício e um ou mais suspeitos detonaram uma bomba. O Ministério Pública de Bruxelas anunciou que vai investigar o caso.

O Ministério Público de Bruxelas confirmou que houve uma explosão naquele centro, situado em Neder-Over-Heembeek, na zona norte da cidade, e que foi iniciada uma investigação para "determinar a natureza da mesma", indicou a agência de notícias belga.

A explosão ocorreu cerca das 02:30 (03:30 em Lisboa) e segundo diversos meios de comunicação foi originada num carro bomba, uma teoria que até ao momento não foi confirmada nem desmentida pelo Ministério Público.

O porta-voz dos bombeiros belgas Pierre Meys também admitiu que a explosão "provavelmente não foi acidental".

"A explosão foi muito forte. As janelas do laboratório foram projetadas a dezenas de metros de distância", disse Pierre Meys.

Cerca de 30 bombeiros foram mobilizados pelas 03:00 (04:00 em Lisboa) para combater o incêndio.

O instituto de criminologia de Bruxelas é uma instituição científica que pertence à justiça federal belga. Uma das suas tarefas é analisar e identificar vestígios suspeitos.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão