sicnot

Perfil

Mundo

Terra entrou numa nova era, o Antropoceno

© Handout . / Reuters

O impacto humano sobre a química e o clima da Terra abreviou a época geológica de 11.700 anos conhecida como Holoceno e apressou a entrada numa nova era, o Antropoceno, anunciou esta segunda-feira um grupo de cientistas.

O início do Antropoceno, ou "nova idade do Homem", será fixado em meados do século XX se a recomendação que os investigadores hoje apresentaram no Congresso Geológico Internacional, na Cidade do Cabo, África do Sul, for adotada.

É provável que o processo de aprovação leve pelo menos dois anos e requeira ratificação de mais três equipas de académicos.

O próprio grupo de trabalho que apresentou a recomendação, composto por 35 elementos, levou sete anos de deliberação até reconhecer por unanimidade o Antropoceno como uma realidade e aprovou com 30 votos a favor, três contra e duas abstenções a decisão de que a transição deverá ser oficialmente registada.

"Segundo o nosso modelo de trabalho, o limite ideal é em meados do século XX", disse Jan Zalasiewicz, um geólogo da Universidade de Leicester.

"Se for adotado - e estamos muito longe disso -, o Holoceno termina e considerar-se-á formalmente que o Antropoceno já começou", acrescentou.

Os cientistas referem-se ao período a partir de 1950 como a "Grande Aceleração", e uma olhadela a gráficos que acompanham as numerosas alterações químicas e socioeconómicas torna óbvio porquê.

Concentrações no ar de dióxido de carbono, metano e ozono estratosférico; temperaturas à superfície, acidificação dos oceanos, esgotamento dos recursos da pesca marítima e perda de florestas tropicais; crescimento da população, construção de grandes barragens, turismo internacional -- todos disparam a partir de meados do século XX.

Um dos principais culpados é o aquecimento global provocado pela queima de combustíveis fósseis.

Uma sintomática onda de disseminação de espécies animais e vegetais invasivas é também um legado da nossa espécie.

Mas o grupo de trabalho não está autorizado a ter qualquer destes fatores em consideração a menos que eles apareçam em algum registo geológico.

Se não pode ser medido em rochas, sedimentos lacustres, calotas de gelo ou outras formações que tais -- os critérios usados para identificar dezenas de eras, períodos e épocas que remontam a quatro mil milhões de anos -, então, não conta.

Isto, contudo, não é um problema quando se trata do Antropoceno, indicou Zalasiewicz.

"Temos muito por onde escolher: há todo um manancial de potenciais sinais por aí", disse à agência de notícias francesa AFP.

Os micro plásticos, por exemplo - uma substância sintética, feita pelo homem - "são agora componentes do sedimento existente em todo o mundo, tanto na terra como no mar", apontou.

E o aumento do dióxido de carbono atmosférico está patente em calotas de gelo com dezenas de milhares de anos.

Mudanças passadas na biosfera - o reino dos seres vivos - ficam registadas em sedimentos e rochas, especialmente indícios de extinções em massa, quando até 95% de todas as formas de vida desapareceram num piscar de olhos geológico.

O desaparecimento dos dinossauros sem asas, no final do período Cretáceo é um desses marcos, embora longe de ser o mais dramático.

O termo "Antropoceno" - pela primeira vez proposto em 2002 pelo prémio Nobel da Química Paul Crutzen - tem sido adotado por ambientalistas como palavra de ordem nos protestos contra a expansão do setor petrolífero e é visto por alguns conservadores como um pretexto para o que consideram serem políticas agressivas de asfixia económica para combater as alterações climáticas.

Em relação à forma que tomarão as provas da existência desta nova idade geológica do planeta Terra, Zalasiewicz disse que ainda é muito cedo para saber, embora acrescentando que "o coral de crescimento rápido forma um arquivo em camadas que captura bem a química".

Para definir o início do Holoceno, os cientistas escolheram uma amostra retirada de uma calota de gelo, em 2003, do lençol de gelo do centro da Gronelândia, com as coordenadas 75,1 graus Norte/42,32 graus Oeste.

O pedaço de gelo está arquivado num armário frigorífico na Universidade de Copenhaga.

Lusa

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC