sicnot

Perfil

Mundo

China condena o ataque "extremista e violento" contra a sua embaixada no Quirguistão

© Vladimir Pirogov / Reuters

A China condenou hoje o ataque suicida "extremista e violento" contra a sua embaixada em Biskek, no Quirguistão, que deixou pelo menos três pessoas feridas, afirmando esperar que o país vizinho "investigue o assunto imediatamente".

"Estamos profundamente chocados e condenamos firmemente este ataque", sublinhou a porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros Hua Chunying, numa conferência de imprensa em Pequim.

Um carro explodiu hoje após embater contra o portão da embaixada chinesa na capital do Quirguistão, informou a polícia, causando a morte do condutor e ferimentos em dois funcionários da embaixada e uma mulher.

Uma fonte do serviço de segurança nacional do país da Ásia Central disse à agência France Presse que um "dispositivo explosivo" foi colocado dentro veículo.

Hua não classificou o incidente como um ato terrorista, repetindo a postura adotada pela imprensa estatal chinesa.

"Já pedimos ao Quirguistão para que tome todas as medidas necessárias para assegurar a segurança do pessoal chinês e que investigue a fundo o assunto, para que os responsáveis sejam julgados", disse.

A porta-voz apontou que, até ao momento, "nenhuma organização reivindicou a autoria do ataque", e reiterou que a China "está a cooperar com o Quirguistão" e que pediu ao país vizinho para que "nos mantenha informados e revele as informações o mais rápido possível".

"Preservamos a segurança das missões diplomáticas da China no exterior, e tomaremos todas as medidas necessárias para as salvaguardar", acrescentou.

O vice-primeiro-ministro do Quirguistão, Zhenish Razákov, disse aos jornalistas no local que "o terrorista suicida ia ao volante de um Mitsubishi Delica. Os três feridos são cidadãos do Quirguistão".

O país, habitado maioritariamente por muçulmanos, tem um passado recente marcado por instabilidade política e extremismo islâmico.

Desde que em 1991 se tornou independente da antiga União Soviética, o Quirguistão sofreu dois golpes de Estado, enquanto confrontos étnicos foram responsáveis por centenas de mortos.

As autoridades do país anunciam frequentemente que frustraram atentados terroristas planeados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

O Quirguistão faz fronteira com a China, Cazaquistão, Tajiquistão e Uzbequistão.

O ataque ocorre nas vésperas de a China acolher a cimeira do G20, na cidade de Hangzhou, na costa leste do país.

A China regista frequentemente violentos conflitos étnicos em Xinjiang, região autónoma no noroeste do país habitada pela minoria étnica uigur.

Lusa

  • "Não vou ceder, não vou render-me, não vou desistir da candidatura"
    2:02
  • Obama, Presidente francês?
    1:55

    Mundo

    A resposta é óbvia, mas não demoveu quatro franceses, descontentes com os candidatos às Presidenciais no seu país. A ideia começou como brincadeira, mas já recolheu 43 mil assinaturas. 

  • Trump apanhado a ensaiar no carro
    1:08
  • Mulheres democratas de branco para mostrar que não abdicam dos diretos conquistados

    Mundo

    Uma "mancha branca" sobressaiu esta terça-feira no Congresso norte-americano, durante o primeiro discurso de Donald Trump. A maioria das 66 mulheres representantes e delegadas do Partido Democrata vestiram-se de branco, num ato simbólico a fazer recordar o movimento sufragista feminino, que encorajava as apoiantes a vestirem-se de branco. Tal como então, a cor da pureza foi agora recuperada, desta feita para mostrar a Trump que as mulheres não abdicam dos direitos conquistados no início do século XX.

  • Treinador do "The Biggest Loser" teve ataque cardíaco

    Mundo

    Foi o próprio Bob Harper que partilhou a notícia no seu Instagram. O ex-treinador do famoso programa de televisão sofreu um ataque cardíaco enquanto treinava no ginásio. Esteve oito dias internado mas, felizmente, já está em casa a recuperar.

  • Prisões recebem manual para lidar com fugas
    2:07

    País

    O Governo vai fazer o maior investimento de sempre nos serviços prisionais. São 2.600 milhões de euros para reforçar a segurança nas prisões. Entretanto. já foi distribuído um manual de procedimentos em caso de fuga.