sicnot

Perfil

Mundo

ONU satisfeita com decisão francesa de acabar com a proibição de burquíni

© TIM WIMBORNE / Reuters (Arquivo)

O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos saudou hoje a decisão da justiça francesa para acabar com a proibição do burquíni, considerando que as interdições em relação ao fato de banho islâmico alimentam a "estigmatização" dos muçulmanos.

"Estes decretos não melhoram a situação da segurança, tendem ao contrário a alimentar a intolerância religiosa e a estigmatização dos muçulmanos em França, em particular das mulheres", indicou o gabinete do Alto-comissário num comunicado.

"Os códigos de vestuário, como os decretos anti-burquíni, afetam desproporcionadamente as mulheres e as raparigas e minam a sua autonomia ao negarem a sua capacidade de tomarem decisões independentes sobre a maneira de se vestirem", adiantou.

De acordo com as normas internacionais de direitos humanos, os limites à liberdade da cada pessoa manifestar a religião ou crença, incluindo a escolha do vestuário, "apenas são permitidos em circunstâncias muito restritas, incluindo para proteção da segurança pública, ordem pública, saúde ou moral públicas", nota a agência da ONU.

Assinala ainda que, tendo em conta o direito internacional dos direitos humanos, as medidas adotadas em nome da ordem pública devem ser apropriadas, necessárias e proporcionais.

Cerca de três dezenas de cidades do litoral, nomeadamente na Riviera francesa, proibiram este verão o uso do burquíni, o que alguns consideram uma provocação após o atentado islamita de 14 de julho em Nice, que causou 86 mortos.

Na sexta-feira, a mais alta jurisdição administrativa francesa, o Conselho de Estado, suspendeu um daqueles decretos municipais e advertiu os presidentes de câmara que qualquer proibição do burquíni deve ter por base "riscos comprovados" para a ordem pública.

Lusa

  • Viver em Évora
    5:11
  • Projeto piloto no Porto com o objetivo de detetar Ambliopia em crianças
    1:16

    País

    São resultados que dizem respeito apenas ao Grande Porto, mas que podem dar uma ajuda para traçar o panorama nacional: 13% das crianças que participaram num rastreio à saúde visual tiveram de ser encaminhadas para consultadas da especialidade. O projeto piloto foi implementado em quatro concelhos do norte do país, mas pode ser alargado.