sicnot

Perfil

Mundo

Itália resgata mais de 1.800 pessoas no mar

A Itália voltou a coordenar o resgate de mais de 1.800 pessoas no mar, num novo dia de emergência que se junta aos últimos cinco, durante os quais foram salvas mais de 15 mil vidas humanas no Mediterrâneo.

Segundo fonte da guarda costeira italiana, foram realizadas 16 operações de resgate em seis dias, que permitiram o resgate de 16 mil pessoas.

A guarda costeira atribui o número às excelentes condições meteorológicas e ao estado do mar, calmo.

A Itália "não está à beira do colapso", assegurou recentemente o primeiro-ministro do país, Matteo Renzi, mas aquelas operações de socorro sublinham o problema da migração para a Europa ainda não foi resolvido.

A migração é um dos mais importantes desafios que a União Europeia enfrenta.

A Organização Internacional para as Migrações referiu recentemente que 322.914 pessoas conseguiram chegar à Europa no último ano depois de atravessarem o Mediterrâneo por diferentes rotas. A passagem custou a vida a pelo menos 2.500 pessoas.

A União Europeia conseguiu diminuir a chegada de migrantes à sua costa marítima com a assinatura de um acordo com a Turquia.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.