sicnot

Perfil

Mundo

Brasileiros que planeavam atentado nos Jogos Olímpicos iam usar armas químicas

A polícia brasileira anunciou esta sexta-feira que os suspeitos de ligação ao Daesh, presos durante uma operação desencadeada em julho, consideraram a utilização de armas químicas durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Os Jogos Olímpicos decorreram entre os dias 05 e 21 de agosto.

Em mensagens trocadas pelo aplicativo de mensagens Telegram, dentro de um grupo fechado chamado 'Jundallah' (Soldados de Deus), um deles disse que os Jogos Olímpicos seriam uma "ótima oportunidade para matar americanos, iranianos e xiitas".

Em resposta, outro membro escreveu: "Já imaginaram um ataque bioquímico, contaminar as águas em uma estação de abastecimento de água por exemplo?".

A operação da polícia federal foi desencadeada no passado dia 21 de julho, mas desde 2015 que as autoridades brasileiras acompanhavam simpatizantes de grupos terroristas para evitar atentados no país.

Quando a operação se tornou pública, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, disse num encontro com jornalistas que embora o grupo fosse simpatizante do Daesh, nenhum deles teve qualquer contato direto com terroristas internacionais na Internet ou pessoalmente.

Na altura, o ministro também classificou os brasileiros que planeavam realizar ataques terroristas como "amadores" sem nenhum preparo.

Nenhum ataque terrorista foi registrado no Brasil durante o evento.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.