sicnot

Perfil

Mundo

Israel preocupado com destruição de satélite de comunicações em explosão nos EUA

As autoridades aeroespaciais de Israel estão preocupadas com as possíveis repercussões da perda de um sofisticado satélite de comunicações israelita na explosão de um foguetão ocorrida na quinta-feira nos Estados Unidos.

O foguetão Falcon 9 da empresa privada de exploração espacial SpaceX, propriedade do multibilionário norte-americano Elon Musk, explodiu na quinta-feira durante testes na plataforma de lançamento no centro espacial Kennedy em Cape Canaveral, no Estado norte-americano da Florida.

A explosão provocou a destruição do satélite israelita de telecomunicações Amos-6.

Com 5,5 toneladas, este satélite, cujo custo estimado situa-se entre os 200 milhões e os 300 milhões de dólares (178 milhões de euros e os 267 milhões de euros), teria sido o satélite mais pesado a ser lançado em órbita pela SpaceX, uma empresa com sucessos recentes que tem dinamizado o setor espacial.

Um dos canais do satélite seria utilizado pela rede social Facebook para levar Internet de alta velocidade ao continente africano.

O diretor da Agência espacial israelita (ISA), Yitzhak Ben Yisrael, disse hoje que a onda de choque da explosão de quinta-feira será sentida muito além de Cape Canaveral.

O acidente poderá colocar em causa a venda da empresa israelita Spacecom, o operador do satélite Amos, ao grupo chinês Xinwei, negócio avaliado pelos 'media' em 285 milhões de dólares (255 milhões de euros), e condicionar a operacionalidade do próprio satélite.

"É um segundo golpe, numa altura em que estava próximo um acordo com os chineses", sublinhou Yitzhak Ben Yisrael, numa referência à perda do satélite Amos-5, também detido e operado pela Spacecom, mas de fabrico franco-italiano.

As comunicações com o satélite Amos-5 foram interrompidas em novembro passado, quatro anos depois do seu lançamento a partir de uma plataforma no Cazaquistão.

"De novo, existe um grande problema no lançamento e espero que a Spacecom seja suficientemente forte para superar a situação e operar outro satélite", disse em declarações à rádio pública israelita o diretor da ISA.

Mas, segundo frisou, "vai demorar dois a três anos para recuperar o atraso".

O fabricante do Amos-6, a Israel Aircraft Industries (IAI), indicou que este satélite era "o maior e o mais sofisticado que alguma vez foi construído em Israel".

"Evidentemente, estamos dececionados com este acidente e estamos disponíveis para ajudar a Spacecom em todos os meios", declarou hoje o fabricante num comunicado, acrescentando que "a indústria dos satélites de comunicações é estratégica para a IAI e para o Estado de Israel".

A Agência espacial israelita, tutelada pelo Ministério da Ciência israelita, assegurou hoje, num comunicado, que "o apoio à indústria aeroespacial em Israel vai continuar, de forma a permanecer na vanguarda da tecnologia".

A empresa SpaceX informou que não foram registadas vítimas na explosão de quinta-feira.

Lusa

  • O momento da explosão do foguetão da SpaceX
    0:48

    Mundo

    Um foguetão da SpaceX explodiu, antes do lançamento, no Cabo Canaveral, na Florida, nos EUA. O acidente não fez feridos e aconteceu durante a realização de testes. O Falcon 9 da Space X, uma empresa de transporte espacial, deveria levantar voo no próximo sábado para a instalação de um satélite de comunicações israelita.

  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08