sicnot

Perfil

Mundo

Turquia despede mais 10.000 polícias, juízes, procuradores e professores

A Turquia despediu mais 10.000 polícias, juízes, procuradores e professores universitários num decreto publicado esta sexta-feira que reforça a purga na administração pública após a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho.

O decreto determina o afastamento de 7.669 polícias e 323 agentes da polícia militarizada, todos suspeitos de participar ou apoiar os golpistas.

Por outro lado, afasta 543 procuradores e juízes, fazendo ascender o total de despedimentos no aparelho judicial para 3.390, segundo o canal NTV.

O ensino superior é também novamente visado, com 2.346 académicos afastados, a juntar a outras 28.000 pessoas, milhares delas professores, despedidas na área da educação.

No exército, são afastados cerca de 800 militares, a maioria dos quais está sob custódia das autoridades, totalizando 4.451 membros das forças armadas afastados após o golpe, entre os quais cerca de metade dos generais no ativo.

O governo turco oficializou também esta sexta-feira 40.000 dos cerca de 80.000 despedimentos anunciados desde julho, que são tornados inapeláveis, e como tal, definitivos.

Entre outros, ficam definitivamente afastados da administração pública 28.100 funcionários da educação, 7.600 da segurança, 2.000 da saúde e 1.500 dos assuntos religiosos.

A Turquia acusa o pregador Fethullah Gülen e o movimento por ele fundado, o Hizmet, de ordenar e realizar o golpe falhado, que terminou com 270 mortos, 34 deles golpistas.

Gülen, exilado nos Estados Unidos desde 1999, nega qualquer implicação no golpe.

O ministro da Justiça anunciou esta sexta-feira que quase 34.000 presos, condenados por "crimes menores", foram libertados, o que ocorre pela segunda vez e parece justificar-se pela necessidade de criar espaço nas prisões para todos os detidos acusados de participação no golpe ou ligações aos golpistas.

Bekir Bozdag precisou que a libertação não corresponde a uma amnistia e que não abrange nenhum preso condenado por homicídio, terrorismo ou crimes contra a segurança do Estado.

Segundo a agência estatal Anadolu, a capacidade total das prisões turcas é de 187.351 pessoas.

Desde julho, a população prisional na Turquia aumentou mais de 200.000.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.