sicnot

Perfil

Mundo

Ativista luso-angolano Luaty Beirão foi detido mas já está em casa

JOOST DE RAEYMAEKER

O ativista luso-angolano Luaty Beirão foi hoje detido em Luanda durante algumas horas, mas já regressou a casa, confirmou à Agência Lusa a sua mulher Mónica Almeida.

O ativista luso-angolano Luaty Beirão foi hoje detido em Luanda durante algumas horas, mas já regressou a casa, confirmou à Agência Lusa a sua mulher Mónica Almeida.

A notícia foi avançada pelo Observador, que adianta que Luaty Beirão foi detido juntamente com outros sete ativistas em frente a uma prisão em Luanda, quando tentavam visitar um outro ativista.

Os oito ativistas estiveram detidos durante duas horas e alegam que foram agredidos pela Polícia Nacional de Angola.

A generalidade destes ativistas esteve em prisão preventiva entre 20 de junho e 18 de dezembro e depois em prisão domiciliária, até 28 de março. Nesse dia foram condenados a prisão, pena que começaram de imediato a cumprir, por decisão do tribunal, apesar dos recursos interpostos pela defesa.

Os ativistas foram libertados a 29 de junho por decisão do Tribunal Supremo, que deu provimento ao 'habeas corpus' apresentado pela defesa, pedindo que aguardassem em liberdade o resultado dos recursos da sentença da primeira instância.

Lusa

  • "Nas prisões angolanas há crianças presas por roubarem um pacote de sumo"
    4:06

    Mundo

    Uma equipa da SIC acaba de regressar de Angola onde esteve com os activistas na prisão. À SIC, Luaty Beirão denunciou as violações de direitos humanos no interior das cadeias angolanas. No Jornal das 2, da SIC Notícias, a jornalista Susana André relatou a conversa com o músico luso-angolano e falou do drama das famílias dos presos, para quem uma visita à cadeia representava um dia inteiro de viagem e uma verba de que não dispunham. Na maior parte dos casos, os ativistas - músicos, investigadores, professores universitários - eram o sustento económico da família. Mas as autoridades angolanas apreenderam-lhes os cartões de crédito e impedem-nos de movimentar as contas bancárias.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite