sicnot

Perfil

Mundo

Grupo Abu Sayyaf reivindica atentado nas Filipinas

© Leandro Salvo Daval Jr / Reuters

O grupo radical islamita Abu Sayyaf foi responsável pelo atentado à bomba na sexta-feira, na terra natal do Presidente filipino, Rodrigo Duterte, que matou pelo menos 14 pessoas, disse hoje a presidente da câmara.

"O Gabinete do Presidente enviou uma mensagem de texto para confirmar que foi uma da retaliação do Abu Sayyaf. Nós, no município, estamos a tratar este caso como uma retaliação do Abu Sayyaf", disse à CNN Filipinas Sarah Duterte, que além de autarca é filha do Presidente Duterte.

O ministro da Defesa, Delfin Lorenzana, também atribuiu o ataque de sexta-feira ao Abu Sayyaf, um grupo islâmico que prometeu lealdade ao grupo Estado islâmico.

"Ninguém assumiu a responsabilidade, mas só podemos concluir que foi cometido pelo grupo terrorista Abu Sayyaf, que causou muitas perdas em Jolo nas últimas semanas", disse Lorenzana.

O Presidente Duterte lançou uma ofensiva militar contra o Abu Sayyaf.

Na segunda-feira, cinco soldados foram mortos em confrontos com o grupo islâmico na ilha de Jolo, um importante reduto do Abu Sayyaf, a 900 quilómetros de Davao.

Lusa

  • Explosão nas Filipinas faz 12 mortos e dezenas de feridos

    Mundo

    Uma forte explosão nas Filipinas fez pelo menos 12 mortos e dezenas de feridos. O rebentamento aconteceu por volta das onze da noite, hora local, quatro da tarde em Lisboa, num mercado situado na praça central de Davao, a cidade natal do Presidente filipino, Rodrigo Duterte. Os feridos foram encaminhados para hospitais locais.

  • Pelo menos 10 mortos e 60 feridos em explosão nas Filipinas

    Mundo

    Pelo menos 10 pessoas morreram e 60 ficaram feridas numa explosão num mercado da cidade de Davao, no sudeste das Filipinas. Um porta-voz da Presidência, Ernesto Abella, disse ao canal CNN Filipinas, que as causas da explosão ainda são desconhecidas, ocorrida cerca das 23:00 locais (16:00 em Lisboa).

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05
  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00