sicnot

Perfil

Mundo

Ativistas da "revolução dos guarda-chuvas" entram no Parlamento de Hong Kong

© Tyrone Siu / Reuters

Um dos rostos da "revolução dos guarda-chuvas" de 2014 e outros jovens ativistas conquistaram um assento no Conselho Legislativo (LegCo, parlamento) de Hong Kong, após as eleições de domingo que contaram com uma participação recorde. Três candidatos pertencentes a novos movimentos locais e alguns com caráter independentista nascidos após os históricos protestos pró-democracia, há dois anos, tinham conseguido três lugares no hemiciclo, quando estavam contados 90% dos votos.

© Tyrone Siu / Reuters


Nathan Law, líder estudantil do movimento 'Occupy' em 2014, conquistou um dos três assentos sob o chapéu do partido Demosisto, criado com Joshua Wong, um dos rostos mais conhecidos da histórica manifestação pela democracia que paralisou a antiga colónia britânica durante quase três meses.

"Os residentes de Hong Kong queriam realmente uma mudança", disse Nathan Law, de 23 anos, ao celebrar a vitória.

© Bobby Yip / Reuters

Com uma participação recorde de 58% - a mais elevada desde 2004 - aproximadamente 2,2 milhões de eleitores depositaram o seu voto nas eleições para o LegCo, consideradas as mais importantes desde que Hong Kong voltou à soberania chinesa em 1997.

Eddie Chu Hoi-Dick, um candidato radical pró-independência que centrou a sua campanha sob o pressuposto da equidade do uso das terras nas zonas rurais de Hong Kong, foi um dos candidatos mais votados, após conseguir mais de 84.000 votos nas urnas.

"O resultado mostra que a sociedade de Hong Kong acredita que é precisa uma mudança do modelo dentro do movimento democrático", assinalou o político, de 38 anos.

Apesar de a contagem ainda não ter terminado, os deputados conservadores e pró-Pequim vão manter, sem surpresa, a sua maioria simples no LegCo.

O LegCo é composto por 70 lugares, mas apenas 35 resultam de candidaturas apresentadas individualmente por cidadãos e do voto direto de 3,77 milhões de eleitores, em cinco círculos eleitorais definidos por áreas geográficas.

© Bobby Yip / Reuters

Outros 30 lugares são reservados a círculos eleitorais definidos com base em setores profissionais e corporativos - que vão desde áreas como a agricultura e pescas, à saúde e direito - que estão divididos em 28 categorias.

Os cinco lugares restantes - conhecidos como 'super assentos' - constituem um híbrido dos dois sistemas.

Os candidatos são previamente escolhidos nas eleições distritais, tendo depois de obter o apoio de pelo menos 15 conselheiros distritais, antes de finalmente serem submetidos ao voto de quase todos os eleitores, à exceção dos que votam nos círculos profissionais e corporativos.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.