sicnot

Perfil

Mundo

Japão alerta para riscos do Brexit durante cimeira do G20

reuters

Tóquio lançou hoje alertas sobre os perigos do Brexit, dizendo que as empresas japonesas podem mudar as suas operações do Reino Unido para outros países da Europa se perderem acesso ao mercado único.

Com a cimeira do G20 a decorrer na China, uma equipa do Governo japonês apelou ao Reino Unido e à União Europeia que minimizem os "efeitos nocivos" do 'Brexit' sobre as empresas que encaram o Reino Unido como uma porta para a Europa.

Algumas das empresas mais conhecidas do Japão, incluindo a Toyota, a Hitachi e o banco de investimento Nomura, estão a reavaliar os seus investimentos no Reino Unido depois do voto a favor da saída da União Europeia em junho, segundo um relatório apresentado por Tóquio.

"Os negócios japoneses com sede europeia no Reino Unido podem decidir transferir o seu escritório principal para a Europa continental se as leis da União Europeia deixarem de ser aplicáveis no Reino Unido após a saída", diz o documento de 15 páginas.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e a líder britânica, Theresa May, vão reunir-se durante a cimeira, esperando-se que o 'Brexit' seja um dos temas da agenda.

O Japão alertou que algumas das suas empresas foram atraídas para o Reino Unido pela promessa de que ali teriam uma porta para entrar no alargado mercado europeu.

"Pedimos que o Reino Unido considere seriamente este facto e responda de forma responsável para minimizar efeitos negativos nesses negócios", indica o relatório.

Mais de mil empresas japonesas operam no Reino Unido, empregando cerca de 140 mil pessoas, e o investimento direto do Japão no país já ultrapassou os 96 mil milhões de dólares.

  • A chegada atribulada de Obama à Cimeira do G20
    1:38

    Mundo

    A chegada de Barack Obama à China, para a Cimeira do G20, foi tudo menos tranquila por várias falhas no protocolo. Sem uma escada alta que lhe permitisse descer do avião, o Presidente norte-americano saiu pelo porão, sem que os jornalistas que levava pudessem assistir.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC