sicnot

Perfil

Mundo

Merkel mantém política alemã sobre refugiados apesar de derrota eleitoral

© Hannibal Hanschke / Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, garantiu hoje que continuará a defender as "linhas mestras" da sua política sobre refugiados, considerando-as corretas, apesar da derrota eleitoral nas eleições regionais no estado de Mechlemburgo-Antepomerânia, gangas pela direita populista.

Em declarações aos jornalistas após o fim da Cimeira do G20, que decorreu em Hangzhou (China), Merdel considerou que a União Cristã Democrata (CDU), que lidera, deve perceber que "muitas pessoas não têm agora a confiança suficiente" na defesa desse ideal, razão pela qual o partido deve trabalhar "intensamente para a recuperar".

"Muito descontente" com os resultados no Estado de onde é natural, na região da extinta República Democrática Alemã (RDA), Merkel assumiu ser corresponsável pelos resultados, salientando que a campanha esteve sempre dominada por temas nacionais, como a crise dos refugiados e o direito à integração e não por temas regionais.

"A base das decisões aprovadas nos últimos meses é correta", assegurou, pondo de parte uma eventual mudança de estratégia e admitindo que a CDU "tem muito trabalho pela frente".

A chanceler alemã defendeu, por outro lado, o acordo firmado entre a União Europeia (UEE) e a Turquia para a devolução de refugiados e imigrantes ilegais e, ao mesmo tempo, reduzir o número dos que pedem asilo depois de chegarem à Alemanha (que recebeu cerca de 1,1 milhões de pessoas), melhorar a integração e impulsionar as expulsões de quem não tem direito a permanecer no país.

Na opinião de Merkel, a Alemanha consegui "já muito", embora esteja claro que haverá que convencer os cidadãos de que se trata do caminho correto a seguir.

Questionada sobre se a derrota eleitoral pode influir na decisão de voltar a apresentar-se como candidata à Chancelaria alemã para uma quarta legislatura nas eleições gerais de 2017, Merkel limitou-se a repetir que anunciará uma decisão "no momento oportuno".

  • Vigília à porta da Autoeuropa contra novo horário
    1:13

    País

    Alguns trabalhadores da Autoeuropa fizeram este domingo uma vigília junto à fábrica, contra a imposição do novo horário de trabalho, que começa em fevereiro. Os trabalhadores estão contra essa obrigatoriedade e dizem que é ilegal porque não cumpre as 35 horas de descanso entre turnos.

  • Krovinovic não joga mais esta época

    Desporto

    O futebolista croata Filip Krovinovic lamentou este domingo a lesão nos ligamentos do joelho direito, sofrida no sábado na receção do Benfica ao Desportivo de Chaves (3-0), assumindo a confiança na conquista do quinto campeonato consecutivo pelo clube.

  • Marco Silva despedido do comando técnico do Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva deixou o comando técnico do Watford, anunciou o 10.º classificado da Liga inglesa de futebol no seu sítio na Internet. "Foi uma decisão difícil e não foi tomada de ânimo leve. O clube está convencido de que a contratação de Marco Silva foi a correta e não fosse a abordagem indesejada de um rival da 'Premier League', continuaríamos a prosperar sob o seu comando", lê-se no comunicado do clube.

  • Waris estreia-se nos treinos do FC Porto

    Desporto

    O avançado ganês Majeed Waris, emprestado pelos franceses do Lorient, treinou este domingo pela primeira vez com o plantel do FC Porto, anunciou o líder da I Liga portuguesa de futebol no seu sítio oficial na Internet.