sicnot

Perfil

Mundo

Merkel mantém política alemã sobre refugiados apesar de derrota eleitoral

© Hannibal Hanschke / Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, garantiu hoje que continuará a defender as "linhas mestras" da sua política sobre refugiados, considerando-as corretas, apesar da derrota eleitoral nas eleições regionais no estado de Mechlemburgo-Antepomerânia, gangas pela direita populista.

Em declarações aos jornalistas após o fim da Cimeira do G20, que decorreu em Hangzhou (China), Merdel considerou que a União Cristã Democrata (CDU), que lidera, deve perceber que "muitas pessoas não têm agora a confiança suficiente" na defesa desse ideal, razão pela qual o partido deve trabalhar "intensamente para a recuperar".

"Muito descontente" com os resultados no Estado de onde é natural, na região da extinta República Democrática Alemã (RDA), Merkel assumiu ser corresponsável pelos resultados, salientando que a campanha esteve sempre dominada por temas nacionais, como a crise dos refugiados e o direito à integração e não por temas regionais.

"A base das decisões aprovadas nos últimos meses é correta", assegurou, pondo de parte uma eventual mudança de estratégia e admitindo que a CDU "tem muito trabalho pela frente".

A chanceler alemã defendeu, por outro lado, o acordo firmado entre a União Europeia (UEE) e a Turquia para a devolução de refugiados e imigrantes ilegais e, ao mesmo tempo, reduzir o número dos que pedem asilo depois de chegarem à Alemanha (que recebeu cerca de 1,1 milhões de pessoas), melhorar a integração e impulsionar as expulsões de quem não tem direito a permanecer no país.

Na opinião de Merkel, a Alemanha consegui "já muito", embora esteja claro que haverá que convencer os cidadãos de que se trata do caminho correto a seguir.

Questionada sobre se a derrota eleitoral pode influir na decisão de voltar a apresentar-se como candidata à Chancelaria alemã para uma quarta legislatura nas eleições gerais de 2017, Merkel limitou-se a repetir que anunciará uma decisão "no momento oportuno".

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • Chegaram os brinquedos de cartão para a consola
    6:24
  • O 10 de julho de 1941 na escrita de João Pinto Coelho
    15:09
  • Governo promete melhorar condições de 26 mil famílias
    1:23

    País

    O ministro do Ambiente explicou esta terça-feira, no Parlamento, as novas medidas para a habitação: reduzir os impostos para arrendamentos longos, melhorar as condições de 26 mil famílias e introduzir o arrendamento vitalício para maiores de 65 anos. Este é um investimento que vai chegar aos 1700 milhões de euros.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31
  • Peixe-galo e batatas rosti, qual o cardápio do encontro entre os líderes das Coreias?

    Mundo

    O menu do encontro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, já foi dado a conhecer esta terça-feira. Através do site oficial do Governo, Seul anunciou um cardápio com vários pratos típicos da Península da Coreia, como dumplings ao vapor, arroz cultivado na Coreia, carne grelhada, salada fria com polvo, peixe-galo, batatas rosti e sopa fria.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17