sicnot

Perfil

Mundo

Revelado segredo da longevidade de habitantes em aldeia de Itália

Um grupo de cientistas revelou esta segunda-feira parte do segredo por que uma pequena aldeia no sul de Itália tem um número invulgarmente elevado de habitantes centenários: níveis baixos de uma hormona que afeta a circulação sanguínea.

Especialistas italianos e norte-americanos passaram os últimos seis meses a investigar a extraordinária longevidade dos residentes de Acciaroli, onde mais de um em dez - 81, segundo a última contagem feita pelo presidente da câmara - moradores na aldeia de 700 habitantes tem mais de 100 anos.

Acciaroli fica na costa de Cilento, uma zona de grande beleza natural onde o falecido nutricionista norte-americano Ancel Keys primeiro encontrou provas inequívocas dos benefícios para a saúde da dieta mediterrânica, em que se utiliza azeite em vez de outras gorduras e que é rica em fruta fresca, vegetais e peixe.

Além de atingirem idades extremamente avançadas, as pessoas de Acciaroli e de outras pequenas comunidades próximas também parecem geralmente imunes a demência, doenças cardíacas e outros problemas crónicos associados ao envelhecimento na maior parte do mundo ocidental.

Investigadores da Universidade Sapienza, em Roma, e da San Diego School of Medicine disseram hoje que a explicação pode residir nos baixos níveis de adrenomedulina, uma hormona que atua sobre a dilatação dos vasos sanguíneos.

A adrenomedulina está presente "numa quantidade muito reduzida nas pessoas que estiveram no centro do estudo e parece atuar como um poderoso fator de proteção, ajudando a manter em níveis ótimos a microcirculação", ou circulação capilar, afirmaram em comunicado.

Os vasos sanguíneos capilares tendem a degenerar com a idade, mas os velhos de Cilento têm-nos como se encontram em pessoas muito mais novas, mesmo na década dos 20 anos.

O estudo encontrou também "metabolitos presentes no organismo das pessoas analisadas que podem influenciar positivamente a longevidade e o bem-estar dos centenários de Cilento", lê-se no documento, que não fornece mais pormenores.

Os especialistas decidiram prolongar o seu estudo e alargar o âmbito da investigação, para tal lançando, inclusive, uma campanha de recolha de fundos.

Além de testes ao sangue, os investigadores também realizaram exames cardíacos e neurológicos, disse Alan S. Maisel, o cardiologista de San Diego que coordena o projeto, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

Os cientistas estão a debruçar-se sobre se a genética, associada a fatores de estilo de vida -- como a dieta e a atividade física -, poderá estar a contribuir para aumentar a longevidade dos aldeões.

Todos os habitantes da zona de Cilento comem alecrim -- cujo efeito de melhoria das funções cerebrais é conhecido -- quase todos os dias e também praticam alguma atividade física diária, como pescar, caminhar ou dedicar-se à jardinagem, outra linha de investigação para os cientistas.

Antes da divulgação dos resultados hoje efetuada, Maisel apontou igualmente para o que poderá ser outro ingrediente importante da receita para uma vida longa e feliz.

"A atividade sexual entre os idosos parece ser intensa", indicou, acrescentando: "Talvez viver muitos anos tenha algo a ver com isso, e provavelmente o ar saudável e a 'joie de vivre'".

Lusa

  • Portugueses divididos na recondução da procuradora-geral da República
    1:31
  • "Os castigos incluiam sovas frequentes e até estrangulamento"
    5:03
  • Teste ao sangue deteta oito tipos de cancro

    Mundo

    Um novo teste sanguíneo experimental permitiu detetar precocemente os oito cancros mais frequentes em 70 por cento dos casos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature feito por investigadores nos Estados Unidos.