sicnot

Perfil

Mundo

Turquia propõe zona de exclusão aérea na Síria

© Reuters

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou esta segunda-feira ter proposto aos seus homólogos Barack Obama e Vladimir Putin a formação de uma "zona de exclusão aérea" no norte da Síria em guerra.

"Trabalhamos para declarar esta região uma zona de exclusão aérea", declarou durante um discurso transmitido pela televisão à margem da cimeira do G20 na China, numa referência à zona fronteiriça que os rebeldes sírios apoiados por Ancara conquistaram aos jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI).

"Eis a minha proposta a Obama e Putin", acrescentou, precisando que poderá "ser assegurada com as forças da coligação" internacional que também combate as forças jihadistas.

No domingo a Turquia anunciou ter expulsado totalmente as forças do EI da sua fronteira com a Síria, um importante sucesso para Ancara desde o lançamento da operação "Escudo do Eufrates" a 24 de agosto na Síria, e também dirigida contra as milícias curdas locais.

A Turquia, que acolhe mais de 2,5 milhões de refugiados sírios no seu território, já apelou por diversas vezes ao estabelecimento no interior da Síria de uma zona protegida e interdita à aviação.

Em paralelo, o Presidente turco indicou que as autoridades turcas estão a cooperar com a Rússia para a instauração de um cessar-fogo na região de Alepo.

"Trabalhamos atualmente com a Rússia para que seja declarado um cessar-fogo na região de Alepo", declarou Erdogan, manifestando ainda o desejo da sua concretização antes da festa muçulmana do Aïd el-Kébir, prevista para o início da próxima semana.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.