sicnot

Perfil

Mundo

Morreu a primeira mulher no mundo a receber transplante facial

© Reuters

A primeira mulher no mundo a receber um transplante na cara, a francesa Isabelle Dinoire, morreu em abril "após doença prolongada", confirmou esta terça-feira o hospital francês onde se realizou o procedimento médico.

Em 2005, Isabelle Dinoire, então com 38 anos, recebeu um transplante de nariz, lábios e queixo de uma dadora em morte cerebral. A cara de Isabelle tinha sido mordida pelo seu cão.

O hospital em Amiens, norte de França, confirmou hoje a morte da "primeira doente no mundo a receber um transplante de cara, numa operação realizada pelo Professor [Bernard] Devauchelle e a sua equipa, a 27 de novembro de 2005".

O hospital realçou que a sua morte não tinha sido ainda divulgada para proteger a privacidade da família.

O jornal Le Figaro noticiou que o corpo de Dinoire tinha rejeitado o transplante no ano passado e que ela tinha "parcialmente perdido o uso dos lábios".

A medicação que Dinoire tinha vindo a tomar para evitar a rejeição do transplante deixou-a mais suscetível ao cancro. Dinoire acabou por desenvolver dois tipos de cancro, acrescentou o jornal.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.