sicnot

Perfil

Mundo

Rajoy e Sánchez conversam ao telefone sem fixar nova reunião

© Reuters

O chefe do Governo espanhol em funções, Mariano Rajoy, e o secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, tiveram hoje uma conversa de 10 minutos ao telefone em que defenderam posições já conhecidas e sem marcar qualquer encontro posterior.

A conversa foi pedida por Pedro Sánchez, que na segunda-feira anunciou que iria iniciar uma ronda de conversações com todas as forças políticas espanholas para tentar encontrar uma solução que permita desbloquear o impasse para a formação de um Governo, mas ao mesmo tempo recusou liderar uma alternativa.

Segundo uma nota de imprensa do Palácio da Moncloa (sede do Governo espanhol), Mariano Rajoy "convidou o dirigente socialista a refletir sobre o bloqueio político e a desconfiança e mal-estar que o bloqueio está a provocar no conjunto dos cidadãos".

O chefe do Governo em funções "agradeceu a Pedro Sánchez a chamada" telefónica, e os dois "concordaram em continuar a falar sobre o futuro de Espanha", conclui-se no comunicado.

Segundo fontes do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) citadas pela agência EFE, a conversa teve um "tom cordial", Rajoy reiterou a sua proposta de fazer uma "grande coligação" com o PSOE, enquanto Sánches sublinhou que irá votar contra o líder do PP (Partido Popular, de direita) se este voltar a apresentar-se a uma investidura.

Sánchez explicou na segunda-feira que inicia a ronda de encontros para saber "exatamente qual é a posição dos outros partidos políticos", depois de o líder do PP ter fracassado na última sexta-feira a segunda votação de investidura no parlamento, com 180 votos contra e 170 a favor, o mesmo número da votação de dois dias antes.

Esta manhã, num programa da Telecinco, a responsável de Estudos e Programas do PSOE, Meritxell Batet, disse que Pedro Sánchez está disposto a "liderar a alternativa" a Mariano Rajoy, ao mesmo tempo que recordou que isto depende de outros partidos, principalmente do Unidos Podemos (radicais de esquerda) e Ciudadanos (centro-direita).

O PSOE está disposto a liderar essa alternativa, mas são o resto das forças [políticas] que têm de marcar a sua posição e alterar de atitude", defendeu Meritxell Batet.

O atual chefe do Governo em funções e líder do Partido Popular (PP, direita) teve, na votação de sexta-feira, o apoio de 137 deputados do PP, 32 do Ciudadanos e um do partido nacionalista Coligação Canária.

O resto da assembleia votou contra, entre eles os 85 do PSOE e os 71 da coligação Unidos Podemos.

Se o atual impasse não for desbloqueado até 31 de outubro próximo, o rei Felipe VI terá de dissolver o Parlamento e convocar novas eleições para 54 dias depois, provavelmente em 25 de dezembro.

Se isso acontecer, serão as terceiras eleições legislativas que se realizam no espaço de um ano, depois de na primeira consulta, em 20 de dezembro de 2015, e na segunda, em 26 de junho deste ano, as quatro principais forças políticas espanholas (PP, PSOE, Unidos Podemos e Ciudadanos) não terem conseguido chegar a um acordo para formar um Governo estável em Espanha.

Nas eleições de 26 de junho, o PP foi o partido mais votado (33,0 % dos votos e 137 deputados), seguido pelo PSOE (22,7 % e 85), Unidos Podemos (21,1 % e 71) e Ciudadanos (13,0 % e 32).

Lusa

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.