sicnot

Perfil

Mundo

Alegado ataque aéreo com gás de cloro sobre Alepo

reuters

As forças governamentais sírias estão a ser acusadas de terem derramado sobre Alepo bombas com gás de cloro. Há pelo menos 80 vítimas.

As vítimas estão com várias dificuldades respiratórias, após o ataque no subúrbio de Sukkari.

A informação ainda não foi confirmada, mas a Defesa Síria Civil publicou um vídeo nas redes sociais, no qual mostra crianças com dificuldades respiratórias, com máscaras de oxigénio. A Defesa Síria Civil é uma organização de voluntários que trabalha nas operações de resgate, em áreas controladas pelos rebeldes. São conhecidos como os "Capacetes Brancos".

O mês passado, um inquérito liderado pelas Nações Unidas concluiu que o governo sírio levou a cabo ataques com gás de cloro pelo menos duas vezes.

O cloro é um químico industrial comum que é proibido no uso de armas, ao abrigo da Convenção sobre Armas Químicas. Se entrarem elevadas concentrações deste químico nos pulmões, pode mesmo levar à morte.

No norte do país, pelo menos 17 pessoas morreram, entretanto, em bombardeamentos e numa explosão, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Sete das vítimas mortais - incluindo uma menina, dois membros da Defesa Civil e um combatente islâmico -- perderam vida num ataque perpetrado por aviões de guerra contra a localidade de Jan Shijun, no sul da província de Idleb.

A ONG, que não precisou a origem dos equipamentos, acrescentou que o bombardeamento causou dezenas de feridos.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.