sicnot

Perfil

Mundo

Apagar a memória para tratar o vício da cocaína

© Brian Snyder / Reuters

Uma nova terapia está a gerar novas expectativas no tratamento dos toxicodependentes, através da eliminação da memória.

O tratamento, ainda em fase experimental, está a ser desenvolvido por investigadores da Universidade de Cardiff e é publicado na revista eLife. Promete limpar as memórias associadas ao efeito da cocaína - uma das razões peças quais os seus utilizadores a consideram uma droga tão aditiva.

Este tipo de droga causa um aumento da dopamina no cérebro e cria uma sensação de euforia e compulsão, relacionado com o sistema límbico - responsável pelo prazer e pela motivação.

Em experiências de laboratório com ratinhos viciados em cocaína, a equipa de investigação descobriu que, ao dar-lhes a molécula PD325901, eles agiam como se nunca tivessem sido viciados ou tomado sequer a droga. A explicação é a de que os circuitos cerebrais associados ao prazer tinham sido apagados.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".