sicnot

Perfil

Mundo

Fortes chuvadas na Grécia provocam pelo menos três mortos

Pelo menos três pessoas morreram nas últimas 24 horas em Kalamata, no sul da Grécia, devido às fortes chuvadas que afetaram uma boa parte do país, informaram as autoridades locais.

Segundo informou à imprensa o presidente da autarquia de Kalamara, Panayiotis Nikas, uma mulher de 62 anos com deficiência foi encontrada morta em sua casa, situada nas imediações da capital.

Na mesma localidade de Kalamata, capital da região de Mesenia, foi encontrada igualmente sem vida uma outra mulher de 80 anos que vivia no sótão de um edifício.

Também um homem de 90 anos morreu numa povoação dos arredores, enquanto permanece desaparecida uma outra mulher que cuidava deste.

Os serviços dos bombeiros tiveram que atender centenas de chamadas com pedidos de auxílio, com as autoridades a qualificar este como o pior temporal em muitos anos.

Sete povoações mantêm-se isoladas porque as estradas de acesso estão inundadas.

As autoridades locais solicitaram aos responsáveis da região de Mesenia que seja declarado o estado de emergência.

Segundo as primeiras estimativas, também morreram vários animais como consequência das chuvas torrenciais.

Também em outros pontos do país, especialmente no centro e no norte, registaram-se fortes chuvadas, ainda que de momento não haja informações sobre vítimas.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.