sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 38 mortos e 92.000 sem abrigo devido a inundações no Níger

Pelo menos 38 pessoas morreram e mais de 92.000 ficaram sem abrigo, desde junho, no Níger devido a inundações provocadas pelas fortes chuvas, particularmente nas zonas situadas no deserto, segundo as Nações Unidas.

"A 27 de agosto, havia 92.000 sem abrigo, 38 mortos e 27 feridos", precisou o boletim do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU em Niamey, capital do Níger.

As chuvas provocaram também a morte a 26.000 cabeças de gado e destruíram 900 hectares de campos e destruiu mais de 9.000 casas, segundo a ONU.

"Cerca de 75% das pessoas afetadas pelas cheias estão localizadas nas regiões de Maradi (centro-sul), Tahoua (oeste) e Agadez (norte)", referiu a ONU.

O Níger é um dos países mais pobres do mundo e recebeu 300.000 refugiados e pessoas deslocados, que fogem do grupo extremista Boko Haram.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51