sicnot

Perfil

Mundo

Chefes da diplomacia dos EUA e Rússia debatem sexta-feira conflito na Síria

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, reúne-se na sexta-feira, em Genebra, com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov, para falarem sobre a redução da violência na Síria, aumento da ajuda humanitária e uma solução política para o conflito.

Segundo o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, John Kerry visitará Genebra hoje e sexta-feira, quando vai retomar o diálogo com a Rússia sobre a Síria.

"O encontro vai centrar-se na redução da violência, no aumento da ajuda humanitária ao povo sírio e a uma solução política necessária para acabar com a guerra civil", detalhou, em comunicado, John Kirby.

O porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Mark Toner, tinha afirmado hoje que uma reunião de alto nível com a Rússia não seria "útil", depois de as autoridades russas confirmarem um encontro entre os dois chefes da diplomacia.

Os Estados Unidos e a Rússia têm mantido um intenso diálogo, incluído no fim de semana passado na China, durante a cimeira do G20, para conseguir um acordo de cessar-fogo para a Síria.

Os Estados Unidos defendem um cessar-fogo em todo o território da Síria, o que incluiria as tropas governamentais, mas a Rússia tem mostrado alguma resistência e tem pedido a Washington para se concentrar em acabar com o grupo extremista Estado Islâmico.

Hoje, o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, e o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, reuniram-se durante cerca de meia hora em Genebra para tratar do conflito.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.