sicnot

Perfil

Mundo

Homem assalta banco para ser preso e ficar longe da mulher

Wyandotte County Detention Center

Um homem assaltou um banco em Kansas City, nos Estados Unidos da América. Quando interrogado pelas autoridades, o homem disse que o fez porque preferia ir para a prisão, em vez de viver com a mulher.

Lawrence John Ripple vai ser julgado esta sexta-feira pelo assalto que fez a um banco.

De acordo com as autoridades, quando chegou edificio, o homem de 70 anos entregou um papel ao funcionário, no qual dizia: "Tenho uma arma, dá-me dinheiro". O funcionário acedeu ao pedido. Contudo, em vez de fugir, o assaltante guardou o dinheiro e sentou-se numa das cadeiras do banco à espera que alguém chegasse.

Quando o segurança se aproximou de Ripple, o homem confessou: "Sou o homem que procuras". O segurança retirou o dinheiro ao assaltante e esperou que as autoridades, que entretanto tinham sido chamadas, chegassem.

Mais tarde, o homem explicou às autoridades que tinha tido uma discussão com a mulher e "não queria mais ficar naquela situação". Segundo o Departamento da polícia local, Ripple escreveu o bilhete, em que exigia dinheiro, à frente da mulher e disse-lhe que preferia estar na prisão a viver com ela.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.