sicnot

Perfil

Mundo

Jovem detida pela polícia de Paris é suspeita de ligação ao Daesh

A principal suspeita do caso do carro armadilhado encontrado perto da Catedral de Notre Dame, em Paris, tinha jurado fidelidade ao grupo Daesh, disse hoje à France Presse uma fonte policial.

A jovem de 19 anos e outras duas mulheres foram presas na quinta-feira por alegadas atividades terroristas, no âmbito da investigação sobre o carro com botijas de gás, descoberto no passado fim de semana junto à Catedral de Notre Dame.

Uma das detidas, filha do proprietário do carro, foi alvejada pela polícia no momento da detenção depois de ter atacado um agente com uma faca.

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, disse na quinta-feira que as mulheres, com 19, 23 e 39 anos, são radicais fanáticas e que preparavam outras ações terroristas.

Quando os membros das forças de segurança realizavam a detenção, numa estação de comboios de Boussy Saint Antoine, uma das suspeitas espetou uma faca nas costas de um dos agentes.

A polícia disparou contra a mulher que foi internada em estado grave num hospital de Paris.

Entre as três mulheres detidas, duas estavam já identificadas pela polícia por terem tentado viajar para a Síria onde pretendiam juntar-se a grupos extremistas islâmicos.

A filha do proprietário do veículo, de 19 anos, estava a ser procurada pelas autoridades.

No fim de semana, o carro suspeito sem matrículas e com os quatro faróis de sinalização ligados foi encontrado a poucas centenas de metros da Catedral de Notre Dame e da sede da polícia criminal francesa, no centro da cidade.

No veículo, foram encontradas uma botija de gás vazia, pousada num banco, e outras cinco botijas cheias na bagageira.

Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49