sicnot

Perfil

Mundo

Tóquio e Seul reafirmam cooperação após quinto teste nuclear norte-coreano

A ministra da Defesa japonesa, Tomomi Inada, e o seu homólogo norte-coreano, Han Min-koo, acordaram estreitar a cooperação para lidar com o programa nuclear norte-coreano, após o quinto ensaio nuclear realizado pelo país vizinho na sexta-feira.

Durante a conversa telefónica, Inada disse a Han que o novo teste nuclear representa uma "clara violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU" e sublinhou a importância da cooperação bilateral, incluindo o intercâmbio de informação entre ambos os países, informou o Ministério de Defesa do Japão.

A ministra da Defesa nipónica também destacou a importância da coordenação com os Estados Unidos para abordar o assunto.

Por sua vez, o ministro Han disse que o teste nuclear foi um grave desafio para a estabilidade regional e global, e que a comunidade internacional necessita fazer esforços de cooperação para lidar com a situação, segundo a informação recolhida pela agência japonesa de notícias Kyodo.

O Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos mantiveram na sexta-feira teleconferências de alto nível em matéria de Defesa, concordando que as ações provocadoras de Pyongyang requerem a união da comunidade internacional para preparar sanções adicionais ao regime norte-coreano, revelou Han.

A Coreia do Norte realizou na sexta-feira o seu quinto teste nuclear, o mais potente até à data, o que gerou uma forte condenação internacional e petições para novas sanções da ONU contra o regime norte-coreano.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão