sicnot

Perfil

Mundo

Turquia permite visita da família ao líder detido do PKK

As autoridades turcas vão permitir que a família do líder detido do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Abdullah Ocalan, o visite na prisão pela primeira vez em dois anos, referiram hoje os média oficiais.

A sua família será autorizada a encontrar-se com Ocalan na prisão de alta segurança na ilha-prisão de Imrali, arredores de Istambul, no decurso do feriado islâmico do Eid al-Adha que se inicia na próxima semana, referiu a agência noticiosa oficial Anadolu.

Os média turcos precisaram que esta será a primeira visita autorizada à família de Ocalan desde 06 de outubro de 2014. A Anadolu disse que Ocalan se vai encontrar com o seu irmão Mehmet.

Esta autorização foi anunciada quando um grupo de 50 ativistas curdos, incluindo deputados ao parlamento de Ancara, cumpre o sexto dia de uma greve de fome na cidade de Diyarbakir (sudeste), em protesto contra a ausência de informações sobre a situação de Ocalan, incluindo o seu estado de saúde.

Ocalan esteve na fundação do movimento armado curdo em 1978, que pretendia mais direitos para a importante e discriminada população curda da Turquia, e dirigiu a partir de 1984 uma rebelião armada contra o regime de Ancara.

Acabou por ser detido em 1999 pelos serviços secretos turcos, em Nairobi, no Quénia, uma operação com o apoio da agência norte-americana CIA.

O líder curdo foi condenado à morte, sentença comutada em prisão perpétua em 2002, quando a Turquia aboliu a pena máxima.

Ocalan manteve conservações com responsáveis oficiais que implicaram a declaração de um cessar-fogo pelo PKK em 2013, prolongado até meados de 2015, quando recomeçaram os confrontos no sudeste da Turquia, região com maioria de população curda.

O líder detido do PKK reunia-se regularmente com uma delegação do pró-curdo Partido Democrático dos Povos (HDP), mas a última visita ocorreu em abril de 2015.

A última visita oficial a Ocalan foi protagonizada por uma delegação do Comité para a prevenção da tortura (CPT) do Conselho da Europa em abril de 2016. Foi então referido que permanecem apenas quatro detidos em Imrali, no mar de Mármara.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.