sicnot

Perfil

Mundo

Ucrânia anuncia boicote às eleições legislativas russas no seu território

A Ucrânia anunciou hoje o boicote das eleições parlamentares russas de 18 de setembro no seu território, depois do apelo recente à comunidade internacional para que não reconheça resultados eleitorais da península anexada da Crimeia.

"O presidente (Petro Poroshenko) encarregou o ministro das Relações Exteriores para informar Moscovo sobre a impossibilidade de realização das eleições russas no território da Ucrânia", escreveu o porta-voz presidencial, Sviatoslav Tsegolko, na rede social Twitter.

Os russos já exerceram no passado o seu direito de voto nas missões diplomáticas russas do país vizinho, tanto na capital, Kiev, como em outras cidades.

O Ministério das Relações Exteriores russo solicitou esta semana às autoridades ucranianas para que garantisse a segurança das embaixadas e consulados russos em Kiev, Odessa, Kharkov e Lvov, durante o dia da eleição.

Mas o parlamento ucraniano apelou esta quinta-feira à comunidade internacional para que se recuse a enviar observadores para estas eleições, as primeiras desde a anexação pela Rússia em março de 2014 da Crimeia, onde existem cerca de 1,8 milhões de eleitores.

Sobre esta questão, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse recentemente que a Rússia não iria considerar a posição oficial da Ucrânia, já que a "Crimeia é território russo".

A presidente da Comissão Eleitoral Central da Rússia, Ella Pamfilova, afirmou hoje que desenvolverá contactos com o Ministério das Relações Exteriores russo para decidir as medidas a tomar contra o boicote ucraniano.

O partido do Kremlin, Rússia Unida (RU), procura renovar a sua maioria absoluta nas eleições de 18 de setembro para a Duma, a câmara baixa de deputados, embora as sondagens apontem para as mais baixas intenções de voto da sua história.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem insistido nos últimos meses na importância das eleições parlamentares e em que estas são legítimas.

Denúncias sobre fraude nas anteriores eleições legislativas de dezembro de 2011 levaram aos maiores protestos contra o Governo em 20 anos.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Karlie Kloss, o "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59