sicnot

Perfil

Mundo

Ucrânia anuncia boicote às eleições legislativas russas no seu território

A Ucrânia anunciou hoje o boicote das eleições parlamentares russas de 18 de setembro no seu território, depois do apelo recente à comunidade internacional para que não reconheça resultados eleitorais da península anexada da Crimeia.

"O presidente (Petro Poroshenko) encarregou o ministro das Relações Exteriores para informar Moscovo sobre a impossibilidade de realização das eleições russas no território da Ucrânia", escreveu o porta-voz presidencial, Sviatoslav Tsegolko, na rede social Twitter.

Os russos já exerceram no passado o seu direito de voto nas missões diplomáticas russas do país vizinho, tanto na capital, Kiev, como em outras cidades.

O Ministério das Relações Exteriores russo solicitou esta semana às autoridades ucranianas para que garantisse a segurança das embaixadas e consulados russos em Kiev, Odessa, Kharkov e Lvov, durante o dia da eleição.

Mas o parlamento ucraniano apelou esta quinta-feira à comunidade internacional para que se recuse a enviar observadores para estas eleições, as primeiras desde a anexação pela Rússia em março de 2014 da Crimeia, onde existem cerca de 1,8 milhões de eleitores.

Sobre esta questão, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse recentemente que a Rússia não iria considerar a posição oficial da Ucrânia, já que a "Crimeia é território russo".

A presidente da Comissão Eleitoral Central da Rússia, Ella Pamfilova, afirmou hoje que desenvolverá contactos com o Ministério das Relações Exteriores russo para decidir as medidas a tomar contra o boicote ucraniano.

O partido do Kremlin, Rússia Unida (RU), procura renovar a sua maioria absoluta nas eleições de 18 de setembro para a Duma, a câmara baixa de deputados, embora as sondagens apontem para as mais baixas intenções de voto da sua história.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem insistido nos últimos meses na importância das eleições parlamentares e em que estas são legítimas.

Denúncias sobre fraude nas anteriores eleições legislativas de dezembro de 2011 levaram aos maiores protestos contra o Governo em 20 anos.

Lusa

  • Presidente do Tondela diz que clube foi humilhado
    1:26

    Desporto

    O presidente do Tondela participou esta segunda-feira na conferência de imprensa após o jogo da 23.ª jornada da I Liga com o Sporting. Gilberto Coimbra criticou o árbitro do encontro João Capela, e diz que o tempo de compensação dado a mais foi por uma falta que não foi assinalada sobre um jogador do Tondela, Bruno Monteiro.

  • Último golo do Sporting ao Tondela "é legal e limpinho" 
    0:41

    Desporto

    Jorge Jesus entende que a vitória desta segunda-feira do Sporting frente ao Tondela não merece contestação e destaca o facto de o árbitro ter avisado os jogadores que iria prolongar o tempo extra. Para o treinador dos leões, o golo no minuto 99' é legal. 

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC