sicnot

Perfil

Mundo

Bangladesh diz que reforçará inspeções após incêndio em fábrica

© Mohammad Ponir Hossain / Reut

O Governo do Bangladesh disse hoje que vai reforçar as inspeções a instalações industriais, após o incêndio no sábado numa fábrica, que causou 29 mortos e do qual se investigam as causas, informaram fontes oficiais.

"Pedimos que inspecionassem fugas de gás, falhas elétricas e caldeiras", disse o ministro da Indústria, Amir Hossain Amu, durante uma visita àquela fábrica, segundo o portal de notícias BDN.

Um funcionário do ministério, Sharafat Ali, encarregado da inspeção das caldeiras em indústrias da região de Daca e que acompanhou o ministro, disse à agência noticiosa espanhola EFE que são feitas inspeções de rotina e que a caldeira da fábrica em causa foi vista em junho do ano passado.

Ali adiantou que, ao contrário do que tinha sido referido, "não se registou uma explosão na caldeira" da fábrica.

O incêndio ocorreu numa fábrica de embalagens em Tongi, a cerca de 25 quilómetros a norte de Daca, quando 75 operários estavam a trabalhar, e causou pelo menos 29 mortos (um aumento relativamente ao último balanço, que dava conta de 25 mortos) e dezenas de feridos, alguns em estado grave.

A fábrica pertence à empresa Tampaco Foils Limited, que indica na sua página na Internet contar entre os seus clientes com multinacionais dos setores tabaqueiro, alimentar e farmacêutico, como a British-American Tobacco Bangladesh e a Nestle Bangladesh.

Este acidente industrial é o pior no país desde o desabamento do complexo têxtil Rana Plaza, em Daca, em abril de 2013, no qual morreram 1.100 trabalhadores.

Lusa

  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    O Instituto Nacional de Estatística reviu esta sexta-feira em baixa de 0,1 pontos percentuais a taxa de desemprego de fevereiro para 9,9%, o valor mais baixo desde fevereiro de 2009. E para março março prevê nova descida, para 9,8%.

    Em atualização

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.