sicnot

Perfil

Mundo

França tem sob vigilância cerca de 15 mil pessoas por ligação ao radicalismo islâmico

Os serviços secretos franceses têm sob vigilância "cerca de 15.000 pessoas" em processo de radicalização islâmica, adiantou hoje o primeiro-ministro, Manuel Valls, alertando que a ameaça terrorista "é alta" e que esta semana dois ataques foram evitados.

"Todos os dias os serviços secretos evitam ataques", disse o governante, numa entrevista à rádio e à televisão Europe 1 e iTélé, na qual referiu a ameaça que representa a presença de 700 franceses ou residentes em França, dos quais 275 mulheres, em grupos jihadistas na Síria e no Iraque.

Manuel Valls acrescentou que 196 franceses ou residentes em França morreram na Síria ou no Iraque e também mencionou a existência de 1.350 pessoas presas em França por ligações terroristas.

Tendo em conta esta realidade, alertou que "haverá novos ataques, haverá mais vítimas inocentes" e que nos próximos dez anos a luta contra o terrorismo terá de continuar, porque "o fundamentalismo vai manter-se".

Valls insistiu na criação de postos de trabalho na área da segurança, de "pelo menos 1.000 por ano", o que custará aos cofres do Estado entre 2.000 e 3.000 milhões de euros adicionais.

O primeiro-ministro francês acrescentou hoje que nos próximos dez anos vai criar mais 10.000 lugares nas prisões francesas e que terão de aumentar o peso dos gastos com a defesa.

"O esforço de segurança, justiça e defesa para França e para a Europa (...) será colossal", disse.

O primeiro-ministro socialista criticou o ex-presidente francês e candidato às eleições de 2017, Nicolas Sarkozy, que considera que a resposta à ameaça terrorista do Governo atual não está adaptada e não é suficientemente forte.

Valls considerou que Sarkozy "se equivoca" porque "é brutal nas suas propostas e divide os franceses", precisamente quando "dividir os franceses é fazer-lhes perder a sua capacidade de resistência" e manifestou-se contra a ideia de encarceramento em centros de detenção de todas as pessoas sob vigilância nos serviços secretos por suspeita de ligações ao radicalismo islâmico.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.