sicnot

Perfil

Mundo

Irão saúda acordo de tréguas conseguido por russos e norte-americanos

O Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano saudou hoje o acordo de tréguas russo-norte-americano para a Síria, apelando à criação de um "mecanismo de vigilância" para evitar que o cessar-fogo seja explorado pelos "terroristas".

"O Irão saúda o estabelecimento de qualquer trégua na Síria e a facilitação do acesso à ajuda humanitária para todas as pessoas deste país", declarou o porta-voz do ministério, Bahram Ghasemi.

O responsável alertou que a experiência de há alguns meses, numa referência às tréguas temporárias iniciadas em final de fevereiro, foi que alguns "grupos terroristas" aproveitaram a oportunidade para "reavivar o seu poder e transferir combatentes e armas".

Considerou assim que o sucesso deste acordo "depende da criação de um mecanismo de vigilância global, em particular do controlo das fronteiras para travar a chegada de novos terroristas".

Ghasemi disse ainda que o Irão, um dos principais apoiantes do presidente sírio, Bashar al-Assad, sempre apelou para que fosse encontrada uma solução política para o conflito.

O acordo anunciado na sexta-feira pelos chefes da diplomacia norte-americana e russa diz respeito a uma trégua que deve começar na segunda-feira e que deverá levar a uma cooperação militar inédita contra os 'jihadistas', nomeadamente o grupo Estado Islâmico, mas também a Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra que renunciou à filiação à Al-Qaida).

O conflito na Síria, iniciado em 2011 após a repressão de manifestações pacíficas contra o regime, já causou mais de 290.000 mortos e obrigou milhões a abandonarem as suas casas.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29