sicnot

Perfil

Mundo

Acordo de cessar-fogo na Síria é a "última chance" de salvar o país

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, defendeu que o acordo EUA-Rússia sobre a Síria, que entrou esta segunda-feira em vigor, representa a "última chance de salvar" aquele país, devastado pela guerra desde 2011.

"Acreditamos que a única solução realista e viável para o conflito é, em última análise, uma solução política", declarou o norte-americano, que falava aos jornalistas em Washington.

Kerry declarou, contudo, ser ainda "muito cedo para tirar conclusões" sobre o acordo que entrou hoje em vigor.

O cessar-fogo entrou em vigor às 19:00 locais (17:00 de Lisboa) em todo o país, exceto nas parcelas de território controladas por grupos 'jihadistas'.

Embora o Governo do Presidente sírio, Bashar al-Assad, tenha assinado o documento, negociado e defendido por Washington e Moscovo, a oposição e os grupos rebeldes não deram ainda a sua aprovação oficial ao fim das hostilidades.

Na sequência desta trégua, o Exército sírio anunciou hoje a suspensão das suas operações militares no país a partir da entrada em vigor da mesma.

A suspensão das operações "aplicar-se-á no território da República Árabe Síria durante sete dias, das 19:00 (de hoje, 17:00 em Lisboa) até 18 de setembro à meia-noite (22:00 de Lisboa)", indicou o Exército, num comunicado difundido pela televisão estatal.

"O Exército reserva-se o direito de ripostar de forma consequente e de utilizar todos os meios militares para responder a todas as violações [do cessar-fogo] por parte dos grupos armados", precisou ainda.

O Exército sírio está atualmente a combater em várias frentes: em Alepo (norte), na região de Lattaquia (oeste), na região de Damasco e no sul do país.

Por seu turno, a Rússia anunciou a suspensão dos ataques aéreos "em todo o território" da Síria, exceto nas zonas controladas pelos "grupos terroristas".

"Hoje, o regime de cessar-fogo será aplicado a todo o território sírio", anunciou o general Serguei Rudskoï, do Estado-Maior russo, precisando contudo que "a aviação russa prosseguirá os seus ataques contra alvos terroristas".

Ao apresentarem as grandes linhas do seu acordo na sexta-feira, Moscovo e Washington não disseram publicamente quais eram as zonas consideradas "terroristas", ou seja, controladas por 'jihadistas', como os do grupo Estado Islâmico (EI) e os do grupo Fateh al-Cham (ex-Frente al-Nosra).

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.