sicnot

Perfil

Mundo

Cabeleireira norueguesa multada por recusar cliente com lenço na cabeça

A justiça norueguesa multou uma cabeleireira local em mil euros após ter sido condenada por discriminação por ter recusado atender uma cliente muçulmana que usava um lenço na cabeça, noticia esta segunda-feira a imprensa de Oslo.

Segundo os relatos da comunicação social norueguesa, Merete Hodne arriscava uma pena de prisão até seis meses por discriminação religiosa, depois de, em outubro de 2015, ter recusado atender Malika Bayan num salão de cabeleireiro em Bryne, uma pequena cidade no sudoeste de Noruega.

"O tribunal não tem qualquer dúvida que a acusada agiu intencionalmente, que discriminou deliberadamente Malika Bayan ao expulsá-la do salão porque ela é muçulmana", argumentou o juiz, que impôs uma multa de 10.000 coroas norueguesas ((1.075 euros), obrigando ainda Merete Hodne a pagar 5.000 coroas norueguesas (537,50 euros) de custas.

O advogado da acusada indicou entretanto a intenção da Merete Hodne, 47 anos, de recorrer da decisão.

No julgamento, Merete Hodne disse ter visto o lenço na cabeça não como um símbolo religioso mas sim como político representando uma ideologia que a assusta.

"Vi-o como um símbolo totalitarista. Quando vejo um hijab (lenço), não penso em religião, mas em regimes de ideologia totalitária", disse Merete Hodne aos juízes, acrescentando ter dito a Malika Bayan, 24 anos, para procurar outro estabelecimento.

Lusa

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que o blogue de Hugo Gil, associado ao Benfica, partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31
  • Governo vai proibir refeições nos monumentos com estatuto de panteão
    0:53

    País

    O Governo vai acabar com as refeições no Panteão Nacional e em edifícios com estatuto semelhante, como os mosteiros dos Jerónimos e da Batalha. A decisão foi anunciada esta terça-feira pelo ministro da Cultura, no Parlamento. Luís Filipe Castro Mendes esclareceu que a decisão surge no âmbito da revisão do regulamento sobre os monumentos.

  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14