sicnot

Perfil

Mundo

Grupo rebelde rejeita acordo para tréguas na Síria

Um influente grupo rebelde na Síria, o islamita Ahrar al-Sham, rejeitou, no domingo, o acordo de tréguas mediado pela Rússia e os Estados Unidos, horas antes do seu início.

Um alto responsável do grupo disse numa declaração no YouTube que o acordo só serviria para "reforçar" o regime do Presidente Bashar al-Assad e "aumentar o sofrimento" dos civis na Síria.

O Ahrar al-Sham, que tem uma influente presença na guerra da Síria, foi o primeiro grupo rebelde a reagir oficialmente ao acordo de sexta-feira, depois de uma maratona de negociações que decorreu em Genebra (Suíça).

"O povo não pode aceitar meias soluções", disse o vice-líder do grupo, Ali al-Omar, num vídeo do Youtube, publicado para assinalar o feriado muçulmano de 'Eid al-Adha' (festa do sacrifício), na segunda-feira, data também para o início as tréguas.

"O acordo russo-americano... vai transformar todos os sacrifícios e ganhos do povo que se insurgiu em fumo. Só vai reforçar o regime e cercar a revolução", afirmou.

Ali al-Omar também rejeitou o facto de o acordo prever que Washington tente convencer os combatentes da principal oposição para quebrar a aliança com a Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra que renunciou à filiação à Al-Qaida).

Esse grupo, apesar de não estar abrangido pelo acordo, também rejeitou as tréguas.

"É simples. O acordo russo-americano procura eliminar os que protegem os sírios", escreveu o porta-voz do grupo Fateh al-Sham, Mostafa Mahamed, no Twitter.

"As negociações e os acordos que não tenham em consideração os homens no terreno são inúteis", disse.

O anúncio das tréguas, depois de semanas de negociações entre os Estados Unidos e a Rússia (que apoia partes que se opõem na guerra Síria), recebeu a oposição das forças que estão no terreno.

As forças pró regime restabeleceram um cerco devastador sobre os distritos do leste de Aleppo, na semana passada, num um forte golpe para os rebeldes.

O regime de Assad e seus aliados disseram que vão respeitar o acordo de trégua.

Lusa

  • EUA e Rússia unidos para acabar com conflito na Síria
    1:34

    Mundo

    Os EUA e a Rússia chegaram a um acordo para um cessar-fogo na Síria, que deverá começar já esta segunda-feira, e que prevê a suspensão das operações de combate. Depois de uma maratona de negociações, John Kerry e Serguei Lavrov traçaram um plano que pretende reduzir a violência e ajudar numa transição politica na Síria.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.