sicnot

Perfil

Mundo

Grupo rebelde rejeita acordo para tréguas na Síria

Um influente grupo rebelde na Síria, o islamita Ahrar al-Sham, rejeitou, no domingo, o acordo de tréguas mediado pela Rússia e os Estados Unidos, horas antes do seu início.

Um alto responsável do grupo disse numa declaração no YouTube que o acordo só serviria para "reforçar" o regime do Presidente Bashar al-Assad e "aumentar o sofrimento" dos civis na Síria.

O Ahrar al-Sham, que tem uma influente presença na guerra da Síria, foi o primeiro grupo rebelde a reagir oficialmente ao acordo de sexta-feira, depois de uma maratona de negociações que decorreu em Genebra (Suíça).

"O povo não pode aceitar meias soluções", disse o vice-líder do grupo, Ali al-Omar, num vídeo do Youtube, publicado para assinalar o feriado muçulmano de 'Eid al-Adha' (festa do sacrifício), na segunda-feira, data também para o início as tréguas.

"O acordo russo-americano... vai transformar todos os sacrifícios e ganhos do povo que se insurgiu em fumo. Só vai reforçar o regime e cercar a revolução", afirmou.

Ali al-Omar também rejeitou o facto de o acordo prever que Washington tente convencer os combatentes da principal oposição para quebrar a aliança com a Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra que renunciou à filiação à Al-Qaida).

Esse grupo, apesar de não estar abrangido pelo acordo, também rejeitou as tréguas.

"É simples. O acordo russo-americano procura eliminar os que protegem os sírios", escreveu o porta-voz do grupo Fateh al-Sham, Mostafa Mahamed, no Twitter.

"As negociações e os acordos que não tenham em consideração os homens no terreno são inúteis", disse.

O anúncio das tréguas, depois de semanas de negociações entre os Estados Unidos e a Rússia (que apoia partes que se opõem na guerra Síria), recebeu a oposição das forças que estão no terreno.

As forças pró regime restabeleceram um cerco devastador sobre os distritos do leste de Aleppo, na semana passada, num um forte golpe para os rebeldes.

O regime de Assad e seus aliados disseram que vão respeitar o acordo de trégua.

Lusa

  • EUA e Rússia unidos para acabar com conflito na Síria
    1:34

    Mundo

    Os EUA e a Rússia chegaram a um acordo para um cessar-fogo na Síria, que deverá começar já esta segunda-feira, e que prevê a suspensão das operações de combate. Depois de uma maratona de negociações, John Kerry e Serguei Lavrov traçaram um plano que pretende reduzir a violência e ajudar numa transição politica na Síria.

  • Hoje joga Portugal (mas antes há um Uruguai-Rússia em direto na SIC)

    Mundial 2018 / O Mundial

    Começa a última jornada da fase de grupos do Mundial, com quatro jogos por dia. Às 15:00, numa partida transmitida em direto na SIC, a anfitriã Rússia e o Uruguai resolvem qual poderá ser o adversário de Portugal nos oitavos de final. Isto, dependendo claro da prestação da seleção nacional frente ao Irão, ao fim da tarde, uma vez que a qualificação não está garantida (e pode até depender do resultado do Espanha-Marrocos).

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.

  • "É a primeira vez que vai ser testado o programa do Nuno Crato"
    0:57

    País

    Os alunos do 11º e 12º anos de escolaridade fazem hoje o exame de matemática, uma das provas mais importantes no acesso à universidade e para a conclusão do ensino obrigatório. No final do secundário, são quase 50 mil os alunos que hoje fazem a prova que acarreta algumas alterações instituídas ainda pelo ex-ministro Nuno Crato, como explicou à SIC Notícias o diretor do Liceu Camões, em Lisboa.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes