sicnot

Perfil

Mundo

Grupo rebelde rejeita acordo para tréguas na Síria

Um influente grupo rebelde na Síria, o islamita Ahrar al-Sham, rejeitou, no domingo, o acordo de tréguas mediado pela Rússia e os Estados Unidos, horas antes do seu início.

Um alto responsável do grupo disse numa declaração no YouTube que o acordo só serviria para "reforçar" o regime do Presidente Bashar al-Assad e "aumentar o sofrimento" dos civis na Síria.

O Ahrar al-Sham, que tem uma influente presença na guerra da Síria, foi o primeiro grupo rebelde a reagir oficialmente ao acordo de sexta-feira, depois de uma maratona de negociações que decorreu em Genebra (Suíça).

"O povo não pode aceitar meias soluções", disse o vice-líder do grupo, Ali al-Omar, num vídeo do Youtube, publicado para assinalar o feriado muçulmano de 'Eid al-Adha' (festa do sacrifício), na segunda-feira, data também para o início as tréguas.

"O acordo russo-americano... vai transformar todos os sacrifícios e ganhos do povo que se insurgiu em fumo. Só vai reforçar o regime e cercar a revolução", afirmou.

Ali al-Omar também rejeitou o facto de o acordo prever que Washington tente convencer os combatentes da principal oposição para quebrar a aliança com a Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra que renunciou à filiação à Al-Qaida).

Esse grupo, apesar de não estar abrangido pelo acordo, também rejeitou as tréguas.

"É simples. O acordo russo-americano procura eliminar os que protegem os sírios", escreveu o porta-voz do grupo Fateh al-Sham, Mostafa Mahamed, no Twitter.

"As negociações e os acordos que não tenham em consideração os homens no terreno são inúteis", disse.

O anúncio das tréguas, depois de semanas de negociações entre os Estados Unidos e a Rússia (que apoia partes que se opõem na guerra Síria), recebeu a oposição das forças que estão no terreno.

As forças pró regime restabeleceram um cerco devastador sobre os distritos do leste de Aleppo, na semana passada, num um forte golpe para os rebeldes.

O regime de Assad e seus aliados disseram que vão respeitar o acordo de trégua.

Lusa

  • EUA e Rússia unidos para acabar com conflito na Síria
    1:34

    Mundo

    Os EUA e a Rússia chegaram a um acordo para um cessar-fogo na Síria, que deverá começar já esta segunda-feira, e que prevê a suspensão das operações de combate. Depois de uma maratona de negociações, John Kerry e Serguei Lavrov traçaram um plano que pretende reduzir a violência e ajudar numa transição politica na Síria.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.