sicnot

Perfil

Mundo

Grupo rebelde rejeita acordo para tréguas na Síria

Um influente grupo rebelde na Síria, o islamita Ahrar al-Sham, rejeitou, no domingo, o acordo de tréguas mediado pela Rússia e os Estados Unidos, horas antes do seu início.

Um alto responsável do grupo disse numa declaração no YouTube que o acordo só serviria para "reforçar" o regime do Presidente Bashar al-Assad e "aumentar o sofrimento" dos civis na Síria.

O Ahrar al-Sham, que tem uma influente presença na guerra da Síria, foi o primeiro grupo rebelde a reagir oficialmente ao acordo de sexta-feira, depois de uma maratona de negociações que decorreu em Genebra (Suíça).

"O povo não pode aceitar meias soluções", disse o vice-líder do grupo, Ali al-Omar, num vídeo do Youtube, publicado para assinalar o feriado muçulmano de 'Eid al-Adha' (festa do sacrifício), na segunda-feira, data também para o início as tréguas.

"O acordo russo-americano... vai transformar todos os sacrifícios e ganhos do povo que se insurgiu em fumo. Só vai reforçar o regime e cercar a revolução", afirmou.

Ali al-Omar também rejeitou o facto de o acordo prever que Washington tente convencer os combatentes da principal oposição para quebrar a aliança com a Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra que renunciou à filiação à Al-Qaida).

Esse grupo, apesar de não estar abrangido pelo acordo, também rejeitou as tréguas.

"É simples. O acordo russo-americano procura eliminar os que protegem os sírios", escreveu o porta-voz do grupo Fateh al-Sham, Mostafa Mahamed, no Twitter.

"As negociações e os acordos que não tenham em consideração os homens no terreno são inúteis", disse.

O anúncio das tréguas, depois de semanas de negociações entre os Estados Unidos e a Rússia (que apoia partes que se opõem na guerra Síria), recebeu a oposição das forças que estão no terreno.

As forças pró regime restabeleceram um cerco devastador sobre os distritos do leste de Aleppo, na semana passada, num um forte golpe para os rebeldes.

O regime de Assad e seus aliados disseram que vão respeitar o acordo de trégua.

Lusa

  • EUA e Rússia unidos para acabar com conflito na Síria
    1:34

    Mundo

    Os EUA e a Rússia chegaram a um acordo para um cessar-fogo na Síria, que deverá começar já esta segunda-feira, e que prevê a suspensão das operações de combate. Depois de uma maratona de negociações, John Kerry e Serguei Lavrov traçaram um plano que pretende reduzir a violência e ajudar numa transição politica na Síria.

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26
  • Vulcão Etna em erupção
    1:34
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.