sicnot

Perfil

Mundo

Opositor cubano Guillermo Fariñas parou greve de fome ao fim de 54 dias

O ativista cubano Guillermo Fariñas abandonou esta segunda-feira a greve de fome e sede que mantinha há 54 dias e que iniciou para exigir ao Governo de Cuba o fim da repressão contra os dissidentes, indicou o seu porta-voz, Jorge Luis Artiles.

Citado pela agência de notícias espanhola Efe, o porta-voz precisou que Fariñas pôs termo à greve a pedido do grupo que lidera, a ilegal Frente Antitotalitária Unida (Fantu), cujos membros consideraram que com a greve de fome se conseguiu que a União Europeia (UE) introduzisse no seu acordo com o Governo cubano um artigo "relacionado com o fim da violência contra a dissidência".

Esta foi a 25.ª greve de fome de Guillermo Fariñas, de 54 anos, distinguido em 2010 com o prémio Sakharov do Parlamento Europeu para a Defesa dos Direitos Humanos.

Lusa

  • Junta de Santa Maria Maior no centro de Lisboa contra despejos de idosos
    3:02
  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.